ARTICULISTAS

Inferno astral

Iná e Ani
Publicado em 10/02/2024 às 17:57
Compartilhar

A busca por uma vida sem problemas pode ser uma expectativa difícil de alcançar, já que desafios e imprevistos são inerentes à existência humana.

Centenas de pessoas acertam na vida e se tornam arrogantes, “sabichões”, senhores do destino, querendo submeter o mundo aos seus delírios. Batalharam para chegar até onde estão e se tornam atrevidos, achando que todos devem abaixar a cabeça reconhecendo humildemente seus esforços. Quando não são elogiados eloquentemente, bajulados, tornam-se um “serial killer” em reclamações, liquidando, um por um, dos seus adversários, deixando todos em volta péssimos.

Ficar ao lado de reclamadores que possuem essa atitude crônica de culpar pais, irmãos, amigos, até filhos, com voz dura e agressões, é mais comum que imaginamos. “Não é justo eu estar trabalhando tanto, vocês estão tranquilos…” Passam a fazer melodrama de coitadinhos, mas na verdade são narcisos e querem a atenção voltada para eles. “Eu trabalhei a vida toda, eu dei conforto para todos, eu fiz de tudo para vocês, e não reconhecem.” E com voz que parece um chicote na mão, prontos a atacar ao menor sinal de diálogo, põem seus ouvintes como ignorantes, abaixo de zero.

Uma boa parte do planeta é composta de gente saudável, amorosa, generosa; outra parte, conturbada e destrutiva. Conviver com essas pessoas torna-se um exercício diário de paciência. Se o reclamão está passando do ponto, acesse a senha “123FUI”. Deixe o doente fazer o barulho sozinho, impedindo de botar fogo na sua paz. Confortar essa pessoa é perda de tempo. Valha-me Deus!

Quase toda criança tem memória fotográfica aguçada. Lembramo-nos da tia que em sua rotina matinal era muito organizada, começando às cinco horas da manhã com as tarefas da limpeza. Ao chegarmos, dizia que acabara de fazer o café e colocava um bolo sobre a mesa e biscoitinhos de nata, docinhos, que até hoje têm sabor de criança, desmanchavam na boca. Elogiávamos seu trabalho, seus deliciosos quitutes, sentindo que ela necessitava de parabéns. Após nossos enaltecimentos, vinham as reclamações, que nos deixavam em silêncio, observando seu comportamento obsessivo-compulsivo de rezingar. Necessitava sentir que seus esforços eram valorizados. Nossa mudez como “psicólogas mirins” diante de suas queixas fazia desaparecerem nossa leveza e nosso sorriso.

Muito diferente é desabafar quando amigas ou amigos se aproximam com o intuito de liberar emoções e amenizar frustrações. Não dá para colocar tudo no mesmo balaio. Esses desabafos são perdoados.

Pense bem: ninguém, ninguém consegue resolver problemas neuróticos sozinho, nem alugar o ouvido de quem quer que seja. Melhor procurar um bom especialista para que o afugente de seu “inferno astral”.

E você, como tem lidado com esses “reclamões”?

Dois beijos

 Iná e Ani

Ocupa a cadeira nº 4 da Academia de Letras do Triângulo Mineiro

Assuntos Relacionados
Compartilhar

LEIA MAIS NOTÍCIAS

Nilson de Camargos Roso

Revolução cubana x ditadura brasileira

23/02/2024 às 20:53
Dom Paulo

Sacrifícios humanos

23/02/2024 às 20:52
Articulistas

História do futebol em Uberaba

22/02/2024 às 20:10
Fúlvio Ferreira

Faltou respeito!

22/02/2024 às 20:08
Heloisa Helena Valladares Ribeiro

Evangelização

21/02/2024 às 20:23
Arahilda Gomes

Criança prodígio

20/02/2024 às 18:39
Ana Maria Leal Salvador Vilanova

Ao vivo e em cores

20/02/2024 às 18:37
Articulistas

O Balconista

20/02/2024 às 18:36
Ani e Iná

Eu, tu, eles

19/02/2024 às 18:50
Logotipo JM Magazine
Logotipo JM Online
Logotipo JM Online
Logotipo JM Rádio
Logotipo Editoria & Gráfica Vitória
JM Online© Copyright 2024Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por