JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 24 de setembro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Regulamentação da prática de atividades físicas fora das academias deve partir do município, diz SRS

12/08/2020 - 12:02:27. - Por Michelle Rosa


Superintendente de saúde, Maurício Ferreira, explica que a onda amarela permite que sejam feitos exercícios ao ar livre, mas a preferência é para que a prática seja dentro das próprias residências; inclusive, o superintendente também orienta que as determinações de como os exercícios ao ar livre devem ser feitos deve partir da Prefeitura de Uberaba

Máscara de proteção facial no rosto, distanciamento social e materiais de higiene e hidratação individuais. A prática de atividade física, de acordo com as normas de Minas Consciente adotadas pelo município de Uberaba, só pode ser realizada em casa ou em espaços públicos obedecendo às regras de sanitárias estabelecidas pelo Estado. 

Vereador pede que Estado reveja posição de Uberaba no controle da COVID-19

Sem previsão para reabrirem, pelo menos 11% das academias de Uberaba fecharão definitivamente

De acordo com informações do Superintendente Regional de Saúde, Maurício Ferreira, durante entrevista à Rádio JM, é preciso contar com o bom senso dos gestores, para olhar a cidade e a região tendo em vista que Uberaba é um polo, com a responsabilidade de hospitais e leitos e de uma vigília para que todos que estão sob a sua responsabilidade  desempenhem um bom papel.

“Sobre a questão mais pontual das atividades físicas, elas realmente estão estabelecidos na onda amarela, podem ser realizados em espaços públicos desde que esse espaço público tenha controle”, conta. 

O superintendente ainda disponibiliza alguns exemplos que podem ser adotados em Uberaba. “O piscinão tem porta para entrar, o município, diante do Minas Consciente,  poderia estabelecer como fazer um ingresso de pessoas como um exemplo de espaço controlado. Agora em uma praça aberta existe forma de se fazer isso sob a fiscalização do municipal”, explica, atribuindo a regulamentação da prática à administração municipal.

Segundo a Cartilha de Esporte do Minas Consciente, nesta fase a prioridade é por treinamento individual e em ambiente domiciliar, se possível, com as orientações profissionais de um treinador ou comissão técnica realizadas de forma online. Se o atleta não possuir condições de realizar os treinamentos em casa, ele deve procurar um local isolado, arejado (espaços abertos) e adequado para a prática dos treinamentos, além de adotar medidas de segurança contra o contágio da Covid-19.

Como prevenção ao contágio da Covid-19, o atleta deve respeitar as indicações dos órgãos de controle e do Plano Minas Consciente, intensificando as seguintes orientações: 

• Respeitar o distanciamento social na presença de outras pessoas no local;
• Utilização de máscaras por pessoas que estiverem no local de treinamento;
• Higienização de equipamentos ou materiais utilizados pelo atleta no treinamento;
• Utilização de álcool gel 70% para imunização das mãos;
• Utilizar material de higiene e hidratação individual;
• Realizar treinamentos sem contato físico

“Dentro das condições do cenário local da Covid-19, as atividades nos treinamentos podem se restringir a treinamentos físicos e individuais, evitando qualquer forma de aglomeração ou de incentivo à circulação de pessoas no local. A condição de saúde do atleta ainda deve ser monitorada de forma constante, sendo que o surgimento de sintomas relacionados à Covid-19, o atleta deve imediatamente adotar o isolamento social, interromper os treinamentos, repousar e buscar orientação médica, além de realizar testes para identificar se está contaminado com Covid-19”, rezam as orientações da cartilha.

O programa "Minas Consciente" foi criado em abril deste ano para promover a retomada gradual das atividades comerciais e industriais que foram suspensas por causa da pandemia do coronavírus.

Com o objetivo de se adaptar ao atual momento da pandemia, o governo realizou consulta pública e, no dia 29 de julho, anunciou a reformulação do plano.

A principal mudança foi em relação às ondas, que foram reduzidas para três. Agora, as cores funcionam como um semáforo: onda vermelha, quando é permitido abrir somente serviços essenciais; amarela, quando serviços não essenciais também são autorizados; e verde, que incluem serviços não essenciais com alto risco de contágio.

Leia mais


DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia