JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 10 de dezembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

Lula: respeito resultado das urnas, mas acho que PT devia ter brigado mais

Segundo Lula, cabe ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) governar, já que ele não cometeu crime de responsabilidade ainda provado

21/11/2019 - 00:00:00. - Por Agência Estado Última atualização: 21/11/2019 - 13:52:01.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje respeitar "o resultado das urnas" em relação às eleições presidenciais de 2018, mas fez uma ressalva: "acho que o PT devia ter brigado mais". "Sou um cara que já perdeu muitas eleições, e quando eu perco, respeito o resultado. Mas acho que o PT deveria ter protestado mais na vitória do Bolsonaro, que foi ilícita, foi um roubo aquela indústria das fake news", afirmou o ex-presidente, que está solto desde o dia 8 de novembro, depois de cumprir ficar preso por 580 dias na sede da Polícia Federal em Curitiba. As afirmações foram feitas em entrevista ao blog Nocaute.

Segundo Lula, cabe ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) governar, já que "ele não cometeu crime de responsabilidade ainda provado". "Mas não me peçam paciência com Bolsonaro, Moro ou Dellagnol". "Quero recuperar o respeito que eu ganhei na sociedade brasileira durante a minha vida", disse petista, se referindo também ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, e ao coordenador da Lava Jato em Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol.

Lula diz esperar que Congresso tenha grandeza de não derrubar trânsito em julgado

Em entrevista ao blog Nocaute, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, 20, que espera "juízo" e "grandeza" por parte do Congresso Nacional no que se refere ao cumprimento de pena após o trânsito em julgado.

O petista argumentou que a pressão por uma alteração na Constituição que permitiria a prisão em segunda instância vem das elites do País, que segundo ele veem na Carta Magna um empecilho. "A Constituição não pode ser rasgada e jogada fora toda hora", disse Lula.

O ex-presidente foi solto da sede da Polícia Federal em Curitiba no último dia 8, depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) votou e derrubou a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, mudando o entendimento que mantinha Lula preso.

Por Francisco Carlos de Assis e Gregory Prudenciano
 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia