JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 07 de dezembro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Homem leva mata-leão após fazer homofobia contra grupo em Santa Catarina; veja

Os amigos se reuniram para tirar fotos quando um homem, não identificado, começou a ofendê-los e chegou a dizer:

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

17/10/2021 - 14:46:28. Última atualização: 17/10/2021 - 17:41:23.

Um passeio de uma turma de amigos LGBTQIAP+ de Brasília terminou em confusão na segunda-feira (11), após o grupo ser vítima de homofobia. O caso ocorreu em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, quando os amigos se reuniram para tirar fotos quando um homem, não identificado, começou a ofendê-los e chegou a dizer: "sai da frente, viadinho ".

Em entrevista ao Correio Braziliense, Gabriel Nunes, 25 anos, morador de Samambaia, conta que reagiu para tentar afastar o homem do grupo. Os amigos foram para Santa Catarina em uma excursão, com cerca de 60 pessoas na sexta-feira (8) e chegaram no sábado (9).

Durante o passeio de segunda, o grupo se dividiu para tirar fotos. A artista drag Pikineia também estava na excursão e foi um dos alvos dos comentários homofóbicos. Segundo o relato de Gabriel, Pikineia estava tirando foto de uma amiga transsexual do grupo, quando o agressor foi passando pelo grupo os xingando. Ainda de acordo com Gabriel, no final, virou para ele e falou “sai da frente gordo, viado”'.

 

 

Gabriel conta que o agressor estava violento e foi para cima da drag Pikineia, quando ele reagiu para tentar afastar o homem. Nunes ainda conta que falou para o homem se afastar em vários momentos, mas o agressor tirou a máscara e foi para cima dele.

O jovem conseguiu aplicar um mata-leão no homem e imobilizá-lo. Gabriel também conta que nunca tinha sofrido homofobia antes e que após o ataque o passeio ficou horrível e o grupo chegou a voltar para a pousada em que estavam hospedados e ficar somente lá, muito abalados com a situação.

O grupo não conseguiu registrar ocorrência porque não conhecia a cidade e preferir voltar para a segurança da pousada depois do ocorrido. Gabriel acrescenta que o homem chegou a dizer que voltaria com amigos.

O jovem destaca: "a gente só quer o nosso direito de viver, sendo gay, lésbica, trans, sendo qualquer tipo, branco, negro, gordo ou magro. A gente merece viver. Queremos viver, só isso", afirma.

 *Com informações do jornal Estado de Minas

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia