JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 05 de dezembro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Operação do Grupo Móvel resgata 12 trabalhadores em carvoaria no Triângulo Mineiro

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

19/04/2021 - 14:31:31.

Os 12 trabalhdores foram encontrados sem condições de higiene pessoal, alimentação ou um local digno para descanço (Foto/Ministério Público do Trabalho)

Um grupo de 12 pessoas, uma mulher e 11 homens, que trabalhavam em situação análoga à escravidão, foi resgatado, durante uma operação realizada pelo Grupo Móvel de Combate ao trabalho escravo, no município de Abadia dos Dourados, no Triângulo Mineiro. A força tarefa foi realizada no período de 12 a 16 de abril.

"Aliciados para o trabalho na produção de carvão, os 12 trabalhadores estavam com salários retidos e submetidos a condições degradantes pela ausência de sanitários e de local para refeições na frente de trabalho, ausência de cama para dormir, fogão à lenha para cozinhar as refeições", descrevem os integrantes do Grupo Móvel.

O empregador recrutou informalmente os trabalhadores em pequenas cidades do interior de Minas Gerais, inclusive Patos de Minas, o que caracteriza o aliciamento, já que a contratação formal exige a emissão de Certidão Declaratória de Transporte de Trabalhadores, documento que resguarda os direitos relativos à locomoção para prestação de serviços em outras localidades, explicam os auditores fiscais Marcio Leitão e Lucia Villela.

Durante a operação, os trabalhadores receberam todas as verbas rescisórias e o empregador assinou um termo de ajustamento de conduta, por meio do qual se comprometeu a pagar uma indenização a título de dano moral individual a cada trabalhador, no valor de R$ 1.100,00", relata a procuradora do MPT Tathiane Nascimento.

O TAC também reúne obrigações de fazer e não fazer que o empregador deverá cumprir para assegurar condições adequadas de trabalho a futuros empregados que vier a contratar. Dentre essas obrigações estão adequações em alojamentos e frentes de trabalho, fornecimento de água potável e equipamentos de proteção individual, dentre outros, relata a procuradora do MPT.

O Grupo Móvel do Combate ao Trabalho Escravo é integrado por auditores fiscais do Trabalho, procuradores do Trabalho, agentes das Polícias Federal e Rodoviária Federal.

 

Fonte: Ministério Público do Trabalho em Minas Gerais

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia