JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 25 de janeiro de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

Continua depois da publicidade



Protestos contra reajustes de combustíveis continuam

Postos foram novamente alvo do protesto de motoristas, ontem, contra os últimos aumentos no preço da gasolina

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

- Por Thassiana Macedo Última atualização: 09/01/2018 - 07:40:49.

Jairo Chagas


Motoristas pedem abastecimento com centavos e exigem nota fisc
al

Postos de combustíveis foram novamente alvo do protesto de motoristas, ontem, contra os últimos aumentos no preço da gasolina em Uberaba. O movimento começou no fim de semana, quando cada manifestante pedia para abastecer, de forma simbólica, o equivalente a R$0,50 ou até R$1 e exigia nota fiscal.

Segundo membro do grupo de manifestantes Mário Júnior, o grupo é apartidário, não tem envolvimento de nenhum político ou partido e é formado apenas por 300 pessoas comuns que estão descontentes com a situação. “Somos um grupo de pessoas que se reuniram pelo aplicativo WhatsApp, mas infelizmente o Direita Minas está assumindo como se eles fossem os precursores de tudo. A verdade é que não apoiamos partidos, nem políticos, nem raça, nem cor, simplesmente tomamos o partido do povo de Uberaba, por isso não somos nem de esquerda, nem de direita”, explica.

Mário Júnior ressalta que o objetivo do movimento, além de exigir o direito do consumidor, é pressionar as autoridades municipais e estaduais a atuarem em benefício da população uberabense contra novos reajustes abusivos dos preços, mas também contra a formação de um cartel dos postos.

Segundo ele, após os protestos pelo menos dois postos localizados na cidade teriam baixado os preços, mas o grupo não descarta procurar o Ministério Público em Uberaba para obter melhores respostas. Em Uberlândia, além dos protestos nos postos, o movimento cercou uma distribuidora da Petrobras para alertar a população sobre aumentos abusivos.

Recentemente, a Petrobras reajustou em 1,7% o preço da gasolina para as refinarias, o que acabou sendo repassado ao consumidor final em janeiro deste ano. O governo de Minas Gerais aumentou de 29% para 31% a alíquota de ICMS sobre a gasolina e de 14% para 16% o imposto sobre o etanol, numa decisão tomada, ironicamente, no Dia da Liberdade de Impostos, e que passou a valer no dia 1º deste mês.

Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço médio do litro em Minas Gerais estava em R$4,167 no fim de 2017. Este ano, o litro da gasolina em Uberaba já está sendo comercializado a R$4,799 e o etanol é encontrado por até R$3,299, conforme pesquisa do Procon. O sindicato Minaspetro afirma que o Estado está perto de ultrapassar uma carga tributária de 50% sobre os preços dos combustíveis e convocou os estabelecimentos a também aderirem ao protesto, mas a Petrobras alega que só 29% do preço da gasolina depende dela.

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia