JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 01 de dezembro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Elisa sinaliza que seguirá cidades da região e não deve realizar o carnaval

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

25/11/2021 - 00:00:00. - Por Gisele Barcelos

A prefeita Elisa Araújo (Solidariedade) afirmou ter interesse em realizar o carnaval em Uberaba no ano que vem, mas sinalizou que seguirá o posicionamento regional sobre a festa em 2022. Por enquanto, a maioria das prefeituras do entorno é contra a programação.

Em entrevista à Rádio JM ontem, Elisa manifestou que a realização do evento seria positiva para a saúde mental, depois de tantas turbulências devido à pandemia de Covid-19. No entanto, ela salienta que a decisão não pode ser isolada. “Confesso que tinha muita vontade que o carnaval acontecesse, porque a gente viveu momentos muito difíceis. Mas a gente precisa ter responsabilidade”, declarou.

A chefe do Executivo ressaltou que é preciso aguardar a deliberação final das prefeituras da região, que deve ser tomada em reunião presencial da Amvale (Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Rio Grande), programada para o início de dezembro. “Se realmente forem até o final [em não fazer o carnaval], a gente não vai poder ir contra”, disse.


De acordo com Elisa, a condição de cidade polo dificulta que Uberaba siga um entendimento diferente das prefeituras do entorno. “Uberaba é uma cidade polo e tenho que respeitar a opinião dos prefeitos aqui da região, pois, se estrangula o sistema de saúde de Uberaba, todos eles são afetados [...] A nossa posição ainda não está definida, mas tudo indica que vamos acompanhar a região”, acrescentou.

Em paralelo, a prefeita informou que também ouvirá o comitê técnico de enfrentamento à Covid-19 para uma avaliação do cenário local da pandemia, antes de decidir sobre a realização ou não da festa em Uberaba.

Elisa destacou que o crescimento de casos de Covid-19 em alguns países do mundo traz preocupação sobre uma possível nova onda, porém argumentou que é preciso também uma análise técnica para verificar se a situação não estaria relacionada à baixa taxa de imunização. Sendo assim, a questão será também estudada pelos integrantes do comitê para uma deliberação. 

 


Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia