JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 24 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍCIA

Continua depois da publicidade



PMMG afasta 10 militares após tapa em aluno; veja vídeo

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

24/01/2022 - 16:56:34. Última atualização: 24/01/2022 - 17:02:53.

Vídeo/Estado de Minas

 

 

A Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) esclareceu mais informações sobre sobre o caso de um "tapão" na cara de um aluno em um curso da instituição, nesta segunda-feira (24). O tapa foi desferido por outro aluno durante um treinamento da ROTAM. A corporação tomou conhecimento do vídeo que circulou nas redes sociais no domingo (23) e instaurou inquérito policial para investigar os fatos.

Porta-voz da sala de imprensa, Major Layla Brunnela explicou que a situação ocorreu em outubro do ano passado durante a formação de 72 alunos, já militares, para habilitação do Batalhão Rotam. O curso, que teve duração de 60 dias, é voltado para militares que já atuam na corporação e querem um treinamento mais especializado.

A PMMG informa que novas turmas não serão formadas até a conclusão do inquérito policial militar, que deve ocorrer entre 40 e 60 dias.

“O comando recebeu de maneira estarrecida. E acho importante ressaltar não ser um procedimento, dentro da instituição, esse tipo de atitude que foi demonstrado no video pelos nossos policiais militares que ali participavam, tanto como instrutores, tanto como alunos”, afirmou a Major.

A porta-voz também afirmou que se trata de um caso isolado e que a conduta dos militares não reflete a forma como acontece a formação policial em Mina Gerais.

Dez militares foram afastados, dentre oficiais e praças, da docência, ou seja, não podem dar aula até a conclusão do inquérito. Eles são os responsáveis pela execução e coordenação do curso. A Policia Militar vai investigar se eles foram coniventes com a agressão, e do porquê inseriram o tapa no treinamento uma vez que não é algo protocolar.

A PMMG ainda investiga as motivações da agressão e contatou o militar agressor e o que foi agredido. Não foram divulgados nomes e patentes.

De acordo com a corporação, à luz do Código Pena Militar, os envolvidos podem responder por crimes de maus-tratos, rigor excessivo e lesão corporal. As investigações vão definir eventuais punições aos miliares envolvidos no treinamento do Batalhão Rotam.

*Com informações do jornal O Tempo  

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia