JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 04 de março de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Tribunal do Crime: operação prende sete por envolvimento com facção criminosa

Investigações apontam que os envolvidos têm ligação com facção criminosa atuante em Uberaba

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

25/09/2020 - 07:41:54. Última atualização: 25/09/2020 - 12:16:44.

Dos sete mandados de prisão cumpridos, seis foram em Uberaba e um em Campo Florido (Foto/Divulgação GAECO Uberaba)

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado – Gaeco Regional de Uberaba/MG deflagrou na manhã de hoje a Operação “CAECUS”. Foram cumpridos sete mandados de prisão, sendo seis em Uberaba e um em Campo Florido e onze mandados de busca e apreensão, sendo oito em Uberaba, um em Uberlândia e dois em Campo Florido.

Os Mandados de Prisão e de Busca e Apreensão foram expedidos pelo juiz da 3ª Vara Criminal da Comarca de Uberaba/MG, juiz Stefano Renato Raymundo.

Segundo informações repassadas à imprensa, a operação teve como objeto o acompanhamento de uma organização criminosa de atuação nacional, no que tange a ocorrências de “tribunal do crime” em Uberaba, onde integrantes do grupo passavam a realizar “julgamentos” a seus membros ou pessoas imbuídas nas comunidades de atuação da Organização Criminosa (ORCRIM), que, segundo ideologia criminosa própria, estavam em desacordo com normas disciplinares impostas pelo grupo.

O Gaeco explica que, historicamente, a ORCRIM institui setores responsáveis por planejamentos de atentados contra agentes de segurança pública e autoridades. “Segundo apurado, no “pacote” das ações disciplinares, estavam contidas associação criminosa, agressão, tortura, sequestro e cárcere privado com o aval da orcrim, através do “quadro disciplinar” da “regional 34”, contemplando criminosos de Uberaba e Uberlândia, ignorando preceitos legais. Tais práticas têm provocado tensões, ameaças e conflitos nas comunidades carentes locais, e, consequentemente, perante agentes de segurança pública e autoridades”.

Leia também: Grávida sequestrada por facção é torturada enquanto aguarda julgamento

O conceito da operação faz alusão à palavra latina caecus, que significa cego, uma analogia ao Item 18 da “Cartilha de Condução” (item reprovável) normatizada pela ORCRIM, a qual denomina-se “falta de visão”, quando o integrante do grupo não tem a real dimensão das consequências que suas atitudes podem acarretar, seja para o grupo criminoso, para si ou para terceiros, o que, em contrapartida, não passou despercebido ou foi negligenciado pelas autoridades engajadas nesta operação.

A operação foi realizada pelo Gaeco e a Polícia Civil de Uberaba/MG, através da Delegacia Antidrogas, com o apoio da 5ª Região da Polícia Militar, por intermédio do 4º Batalhão de Polícia Militar e 67º Batalhão de Polícia Militar; Gaeco de Uberlândia/MG; 9ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais, por intermédio da 9ª Companhia Independente de Policiamento Especializado e Departamento Penitenciário de Minas Gerais – DEPEN-MG.

OPERAÇÃO SUÍTE 

Também nesta sexta-feira, o Gaeco deflagrou a Operação Suíte, cujo objetivo é apurar crimes de corrupção ativa e passiva, tráfico de drogas e o ingresso de aparelhos celulares e de outros objetos proibidos em estabelecimento prisional, praticados por organização criminosa.

Em razão das investigações, foram cumpridos 40 mandados de busca e apreensão em Belo Horizonte, Nova Lima, Contagem, Governador Valadares, Frei Inocêncio, Aimorés, Ipatinga, Coronel Fabriciano, Timóteo, João Monlevade, Uberaba e Medina.

Por ordem judicial, o Procedimento Investigatório continuará sob segredo de Justiça.

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia