JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 20 de novembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍCIA

Após 2 anos, ataque à Rodoban ainda é investigado pela Civil

Várias pessoas envolvidas na ação já foram presas, mas o processo ainda prossegue, mas de forma sigilosa

08/11/2019 - 00:00:00. - Por Tulio Micheli Última atualização: 08/11/2019 - 09:07:42.

Arquivo/Jairo Chagas


Na ocasião, prédio da Rodoban, na rua João Pinheiro, ficou totalmente destruído pelas explosões daquela madrugada

Há dois anos, Uberaba viveu uma de suas piores e mais tensas madrugadas. Tiros, explosões, carros incendiados e muito medo faziam parte dos planos de ataque à empresa de transporte de valores Rodoban, no bairro Boa Vista, em Uberaba. 

Naquela madrugada de 6 de novembro de 2017, uberabenses acordaram com tiros de metralhadoras e fuzis, disparados por vários homens, que cercaram os quartéis e fugiram com o dinheiro após destruir o cofre e as estruturas da empresa. De lá para cá, quatro pessoas foram presas e uma acabou morta.

Leia também: Cobertura completa da madrugada de terror vivida pelos uberabenses

Um dia depois do ataque, três dos envolvidos foram presos em Caldas Novas (GO), distante 286 quilômetros de Uberaba. Dois homens suspeitos de integrar o PCC e a esposa de um deles foram presos devido à ação conjunta das polícias Militar e Federal de Goiás. Eles confessaram a participação no roubo à empresa de valores em Uberaba, mas não confirmaram sobre os demais roubos atribuídos à mesma quadrilha, como Araçatuba e Ribeirão Preto.

Com o trio foi encontrada parte do valor roubado, além de uma pistola PT Glock, vários celulares e três veículos de alto custo. Eles eram suspeitos de integrar organização criminosa que atua em São Paulo. O quarto elemento foi preso em janeiro deste ano, na cidade de Indaiatuba, interior de São Paulo, distante cerca de 415 quilômetros de Uberaba.

Leia também: Entenda por que Uberaba virou alvo de quadrilhas interestaduais

O suspeito, de 28 anos, já tinha mandado de prisão em aberto e foi localizado em apartamento naquela cidade. Ele não ofereceu resistência à prisão, porém, no apartamento também foram encontradas uma pistola 9mm e várias munições, além de equipamento parecido com bloqueador. 

Ainda segundo a Polícia Civil, as investigações continuam, mesmo após dois anos do fato, mas o processo é sigiloso. "Toda informação passada pode dificultar o andamento dessas investigações. Algumas pessoas já foram presas depois e trazidas para o inquérito policial. Houve surgimento de novos nomes e a gente tem que fazer essa investigação para colocar o criminoso dentro do crime", explicou Francisco Eduardo Gouvea Motta, chefe do 5º Departamento de Polícia Civil (5º DPC).

 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia