JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 29 de julho de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Novo Pronampe dará fôlego ao setor comercial, avalia presidente da CDL

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

20/07/2021 - 00:00:00. - Por Luiz Gustavo Rezende

Presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Uberaba (CDL-Uberaba), Angelo Crema, acredita que o novo Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) dará maior fôlego ao setor comercial. O programa de crédito especial foi instituído em 2020 para ajudar micro e pequenas empresas no período da pandemia. Este ano, no dia 4 de junho, foi publicada no Diário Oficial da União a Lei 14.161, que tornou o programa permanente.

“O setor comercial ganha um fôlego com as novas condições [de crédito] oferecidas”, destaca o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Uberaba (CDL Uberaba), Angelo Crema, ao acrescentar que, em relação ao oferecido em 2020, a liberação dos recursos foi agilizada, além de maior prazo para quitação das parcelas.

Com a liberação iniciada no começo da semana passada, os recursos são garantidos pelo governo federal por meio do Fundo de Garantia de Operações (FGO). Os juros são de 6% ao ano mais Selic, com prazo de 48 meses para pagar e onze meses de carência.

Crema ressalta que o crédito do Pronampe pode ser aplicado em capital de giro e investimentos. No caso do BDMG, as empresas que contarem com participação feminina no capital social maior ou igual a 50%, há pelo menos seis meses, e as empresas da cadeia do turismo, eventos, bares e restaurantes terão a Tarifa de Abertura e Acompanhamento de Crédito (TAAC) reduzida.

A CDL Uberaba, por meio da FCDL-MG (Federação das CDLs de Minas Gerais), tem parceria com o BDMG (Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais), que dispõe de R$339 milhões em crédito do programa para micro e pequenas empresas de Minas Gerais.

O banco fez mudanças em taxa de juros e prazos em comparação a 2020. No ano passado, os juros cobrados eram de 1,25% ao ano mais Selic. Os prazos também eram menores, de oito meses de carência e 36 meses para pagamento.

Microempresas com faturamento de até R$360 mil por ano e empresas de pequeno porte com até R$4 milhões e 800 mil de faturamento anual, considerando a receita bruta de 2019, podem recorrer a essa modalidade de crédito. A empresa precisa ter, no mínimo, dois anos de funcionamento.

Crema sugere duas destinações ao lojista atendido pelo programa: repaginação da loja ou reforço no estoque.

 

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia