JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 14 de dezembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Confirmado tratamento de saúde a pais de empregados dos Correios

A decisão é válida até o julgamento do recurso de embargos interposto pela empresa

14/11/2019 - 00:00:00. - Por Thassiana Macedo

Por maioria, a Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho confirmou liminar para determinar a manutenção do tratamento continuado de pais e mães dos empregados da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), através do plano de saúde da categoria. A decisão é válida até o julgamento do recurso de embargos interposto pela empresa, a qual sustenta omissão em relação à data a ser considerada para fim da cobertura. 

No julgamento do dissídio coletivo de greve dos Correios, realizado em outubro, a Seção excluiu os genitores da condição de dependentes no plano de saúde dos empregados. Como regra de transição, foi assegurada a continuidade dos tratamentos que estão em andamento. No entanto, segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), em razão da regra de transição, o plano estava indeferindo a continuidade de tratamentos e até mesmo a entrega de medicamentos quimioterápicos.

Por isso, 15 dias depois, a entidade requereu liminar para determinar que a Empresa autorizasse o tratamento continuado de pais e mães até a resolução da matéria pela Seção de Dissídios nos embargos interpostos pela patronal. Em despacho, o relator do dissídio, ministro Mauricio Godinho Delgado, considerou a concessão da medida de urgência até decisão em juízo definitivo pelo órgão colegiado. 

Segundo ele, isso evitaria que a empresa impusesse restrições imediatas ao exercício da prerrogativa dos dependentes dos empregados abrangidos pela cláusula normativa de se valerem da assistência médica em tratamentos continuados. O contrário pode ocasionar problema gravíssimo às pessoas interessadas, “na medida em que são pessoas idosas, cujo tratamento continuado de doença de natureza grave pode ser interrompido”.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia