JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 18 de janeiro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Laboratório Macrorregional passa a oferecer exame para medir intoxicação

A partir de agora o Laboratório Macrorregional de Uberaba já pode realizar o exame de colinesterase

- Por Thassiana Macedo Última atualização: 27/10/2016 - 10:18:36.

A partir de agora o Laboratório Macrorregional de Uberaba já pode realizar o exame de colinesterase, que permite analisar o nível de toxidade do organismo, através da enzima colinesterase plasmática, responsável por regular impulsos nervosos. A realização do exame faz parte do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, do Ministério da Saúde, e consiste no monitoramento de agentes de controle de endemias para proteção dos profissionais através do diagnóstico precoce de possíveis intoxicações.

A intoxicação por inseticidas degrada a enzima no sangue e a pessoa pode ter desde náuseas e fraqueza muscular a arritmias, paralisias e convulsões. De acordo com Janaína Lacerda, técnica do laboratório, o exame permite também que se verifique a frequência de utilização dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), que previnem incidentes. “A descentralização do exame, antes realizado pela Fundação Ezequiel Dias, em Belo Horizonte, contribui para a rapidez na entrega dos resultados. O médico do trabalho de cada Secretaria Municipal de Saúde é quem avalia a necessidade de realização do exame e encaminha a amostra sanguínea do paciente ao laboratório, que libera o resultado em até 8 dias úteis”, afirma.

O Laboratório Macrorregional, que faz parte da Rede Estadual de Laboratórios de Saúde Pública, realiza cerca de 50 mil exames por ano para os municípios de Uberaba, Uberlândia, Ituiutaba, Patos de Minas, Unaí e, em alguns casos, a região do sul de Minas. A população atendida está em torno de 2 milhões e 800 mil pessoas, em 88 municípios. 

Também são realizados: monitoramento de pacientes soropositivos; entomologia de identificação de vetores de dengue, chagas, malária, esquistossomose, leishmaniose e febre amarela; monitoramento microbiológico de qualidade da água; hepatites B e C; teste rápido e cultura para tuberculose; e sorologia para dengue.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia