JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 15 de outubro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

GERAL

Tutores estão clonando animais de estimação para não precisarem se despedir

Um jovem desembolsou cerca de 35 mil dólares para ter uma cópia do seu gato falecido

17/09/2019 - 00:00:00. Última atualização: 17/09/2019 - 14:18:39.

Foto/Divulgação/Sinogene

Gata que foi mãe portadora do animal clonado

Um empresário de 22 anos perdeu o gato, chamado Garlic, e decidiu, depois da morte do animal, cloná-lo. O jovem se lembrou de um artigo que tinha lido a respeito da clonagem de cães. Isso o levou até a Sinogene, empresa de clonagem de bichos de estimação em Pequim.

Depois de receber cerca de US$ 35.000 e trabalhar por sete meses, a Sinogene produziu aquilo que a imprensa oficial da China está chamando de o primeiro gato clonado do país.

O dono explicou que o animal é único. “No meu coração, Garlic é insubstituível”, disse Huang, que recuperou o corpo do gato e o colocou na geladeira, preparando-o para a clonagem. “Garlic não deixou descendentes, de modo que a única opção era cloná-lo.”

Mi Jidong, diretor executivo da Sinogene, disse que a empresa decidiu começar a clonar bichos de estimação em 2015 depois de realizar uma pesquisa mostrando haver demanda para tais serviços. Já foram clonados mais de 40 cães, a um custo aproximado de US$ 53.000 cada. Mi Jidong disse que mais de 100 pessoas armazenaram amostras de DNA de seus bichos de estimação na expectativa de criar clones a partir delas.

Depois que cientistas chineses clonaram uma cabra em 2000, eles conseguiram produzir os primeiros clones de primatas do mundo, além de cães superfortes gerados a partir da manipulação genética. No ano passado, um cientista chinês chocou o mundo ao anunciar que tinha criado os primeiros bebês geneticamente modificados do mundo.

As ambições da Sinogene vão além de cães e gatos. A empresa está clonando um cavalo, e Mi Jidong disse que o próximo grande objetivo é clonar espécies ameaçadas, como o panda e o tigre do sul da China.

Para os críticos, a clonagem de animais de estimação é uma prática desumana. Não se sabe ao certo o que vai ocorrer com os animais produzidos, nem o seu impacto ao se misturar com o material genético original da espécie. Eles dizem que o dinheiro seria melhor investido no cuidado com animais existentes.

Em seu primeiro encontro com o novo Garlic, em agosto, o dono descobriu que o processo de clonagem não resultou em uma cópia idêntica. Ao clone falta uma mancha de pelo escuro que o Garlic original tinha no queixo. A Sinogene disse que os clones podem apresentar diferenças na coloração dos pelos e dos olhos, e uma firma externa teria comprovado a correspondência do DNA dos dois felinos.

“Eu estaria mentindo se dissesse que não fiquei um pouco desapontado", disse empresário. “Mas também estou disposto a aceitar que, em certas situações, há limites para a capacidade da tecnologia.”

*Com informações The New York Times e tradução de Augusto Calil
 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia