JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 04 de dezembro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Dermatologista esclarece sobre causas e tratamentos para a queda de cabelo

Nos últimos anos novos métodos de tratamento da alopecia têm surgido no mercado, ampliando o arsenal terapêutico com resultados cada vez mais satisfatórios

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

Última atualização: 10/07/2016 - 11:27:07.

Foto/Ângelo Pedroso


Segundo o dermatologista Mário Fernando Martins Pinto, a intensidade da perda capilar é elemento importante na escolha do tratamento

O diagnóstico da causa da alopecia ou queda de cabelo é fundamental para definição do programa de tratamento. Diversas são as disfunções que podem desencadear a perda capilar e o tratamento somente será eficaz se for direcionado para a origem do problema.

De acordo com o dermatologista Mário Fernando Martins Pinto, as causas de queda de cabelo podem ser divididas em dois grupos. As causas sistêmicas são doenças ou distúrbios que comprometem o organismo, podendo resultar na queda de cabelo como um sintoma. Já as causas locais englobam um grupo de afecções que afetam o couro cabeludo ou os cabelos de forma direta. “A anemia, por exemplo, é uma doença primária do sangue, mas que pode secundariamente causar queda de cabelo. Já na Alopecia Androgenética ou Calvície Familiar, conhecida de todos, não há qualquer alteração sistêmica, apenas o couro cabeludo é comprometido”, reforça.

Mario Fernando esclarece que para chegar ao diagnóstico o médico especialista utiliza as informações prestadas pelo próprio paciente; o exame físico do cabelo e couro cabeludo; e, eventualmente, exames complementares. “Exames de sangue são úteis para o diagnóstico de causas sistêmicas de alopecia. Enquanto as causas locais são melhor estudadas com o Tricograma, exame que analisa em microscópio as raízes dos fios de cabelo e a Videotricoscopia, exame no qual um microscópio digital captura imagens em grande aumento de vários pontos do couro cabeludo, permitindo o estudo de sua superfície e dos fios de cabelo. Através desses dois exames é possível identificar diversas situações que podem causar queda de cabelo e que não seriam diagnosticadas apenas com os exames de sangue”, frisa.

Para a maioria dos casos de alopecia, a intensidade da perda capilar é um elemento importante na escolha do tratamento, segundo Mário Fernando Martins Pinto. “Quando a perda é leve e o paciente ainda conserva bom volume e densidade capilar, o tratamento clínico medicamentoso tem grande probabilidade de ter sucesso no controle da queda. Quando a perda é moderada, com densidade capilar reduzida, além do tratamento clínico, tem apresentado bons resultados o uso do Microagulhamento e do Plasma Rico em Plaquetas Autólogo como recursos terapêuticos. E quando a perda capilar é intensa, especialmente quando existem áreas de perda capilar completa, o Transplante Capilar Autólogo pode ser a única opção eficaz”, explica o dermatologista.

Leia mais:
Tratamento depende da origem e extensão da queda


Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia