JM Online

Jornal da Manhã 50 anos

Uberaba, 10 de agosto de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Reginaldo Baleia Leite REGINALDO LEITE 08/07/2022



GP da Inglaterra - A melhor do ano

Sintetizando, a décima etapa do mundial de 2022 foi dez. As emoções se iniciaram já na classificação, realizada com pista molhada. A corrida também foi eletrizante, com lances dramáticos e recheados de surpresas e ótimos duelos por posições. O acidente com Zhou, para muitos, foi o lance marcante. Porém, para os amantes do esporte, foram as disputas duras e honestas de Leclerc, Lewis e Perez no terço final da etapa.

Classificação. Realizada com pista molhada no “chove e para” do clima inglês, é sempre emocionante, e assim vimos muitas surpresas. Nas duas primeiras fases, Q1 e Q2, Max liderou com folga. Mas, na hora do vamos ver, não se saiu bem. Não por sua responsabilidade e sim por causa de uma bandeira amarela provocada por Leclerc, que minou sua última tentativa. Apesar do erro, Leclerc ainda conseguiu a terceira posição no grid de largada.

Sainz Jr. foi o que sofreu menos entre os que tinham chances de disputar a pole. Tanto que, quando soube do resultado, se disse surpreso, pois relatou que não havia conseguido uma volta limpa. As maiores surpresas foram Mick Schumacher a frente de Magnussen e a P 10 de Latifi. Lembrando que seu carro não tinha as atualizações do companheiro Albon.

Plástica. A corrida mal começou e vimos uma sequência de acidentes que envolveram vários carros. Se iniciou com uma largada ruim de Russell, que largou com pneus duros, e sofreu um toque de Gasly, que foi ensanduichado por Russell e Zhou. Gasly havia largado três posições atrás de Russell e assim começou uma sequência de eventos da turma que vinha mais atrás. Ocon, Tsunoda, Albon e Vettel pegaram as sobras do entrevero.

Aprovado. Apesar das cenas assustadoras da Alfa Romeu capotando, acabando presa entre as barreiras de proteção e um santo alambrado que segurou o carro, assegurando que este não caísse na arquibancada, o piloto saiu inteiro. Já o toque de Vettel em Albon causou muita apreensão, pois ele demorou muito para deixar o carro. Albon bateu de frente no muro ainda na reta, e também foi transferido para o hospital. Ambos os pilotos ficaram bem, provando que os carros atuais são seguros. Depois que Grosjean saiu vivo não tem como questionar.

Não valeu. Logo após a bandeirada inicial, o pessoal da frente, imune à sequência de toques, vimos Max superar Sainz Jr. e Lewis superar Leclerc. Porém, o acidente provocou uma bandeira vermelha e essas conquistas foram em vão, pois a corrida foi reiniciada com as posições do grid original, já que a bandeira foi marcada antes de completar a primeira volta.

De volta aos trabalhos. Após 57 minutos, a corrida foi reiniciada e, desta feita, Sainz Jr. fez o trabalho de casa e conseguiu conter as investidas de Max. Houve um momento que os quatro primeiros dividiram uma entrada de curva. Essa etapa nos proporcionou ótimas disputas. Colados atrás dos ponteiros, Leclerc e Perez se tocaram. Perez foi aos boxes duas voltas depois e caiu para último e o monegasco sofreu danos na aleta direcional do aerofólio dianteiro, e conseguiu seguir na corrida .

Mais à frente, o hispânico não aguentou a pressão do holandês ao errar na décima volta. Max assumiu aponta e deu a impressão que venceria outra tranquilamente. Paralelamente, Lewis vinha assinalado melhores voltas em sequência.




Continua depois da publicidade


Touro mancando. A liderança de Max durou pouco. Na volta 12 foi superado pela dupla vermelha e logo entrou nos boxes. Max foi aos boxes por imaginar que havia um pneu furado, no entanto, os danos eram maiores e, a partir disso, não conseguiu voltar a disputa pela ponta. Sainz Jr. voltou para a ponta e logo foi alcançado por Leclerc. Mesmo com danos na asa dianteira ele virava melhor que Sainz Jr.

Podcast. Após Leclerc chegar ao parceiro, começou um Podcast da Ferrari e seus pilotos. Sainz Jr. foi aos boxes e Leclerc assumiu a ponta. Após cinco voltas, o monegasco efetuaria sua parada e Hamilton assumiu a liderança, liderando uma etapa pela primeira vez em 2022. Enquanto Lewis mandava a bota, Sainz Jr. era segundo, com Leclerc colado nele.

Não demorou muito e houve nova seção de Podcast na equipe vermelha, pedindo a Sainz Jr. para ser mais rápido e Leclerc implorando no rádio, por estar perdendo tempo atrás do companheiro de equipe. Como não conseguia melhorar, o madrileno deixou Leclerc passar. No giro 33, Hamilton troca seus pisantes e sai calçado com pneus duros e a dupla vermelha assume a luta pela ponta. Enquanto isso Lewis e Leclerc trocavam as voltas rápidas.

Ordem de equipe. A corrida seguiu assim, Leclerc abrindo e Sainz Jr vendo Lewis se aproximar a cada volta. Até que, na volta 39, o carro de Ocon para na antiga reta dos boxes. Safety Car entra em cena. Os ponteiros vão aos boxes e saem com pneus macios novos. Leclerc foi orientado a não entrar e, assim, acabam aí suas chances de lutar pela da ponta. Perez se deu bem com o acionamento do Safety Car, pois ele ainda não havia realizado sua última troca e o fez sem perder posições no grid. Foi azarado no começo e sortudo ao final.

Disputas. No começo da volta 43, a corrida se inicia. O que vimos a seguir foi uma sequência de batalhas por posições, as melhores da etapa. Perez atacava Lewis e Leclerc se defendia de Sainz Jr. Mais à frente, quase no mesmo momento, Perez supera Lewis e Sainz Jr supera Leclerc. Pouco depois, Lewis volta a atacar o mexicano. Duas voltas após o reinicio foi liberado o DRS. Perez vem com tudo para cima de Leclerc, que não se sabe como ainda consegue se defender.

Queridinho. As disputas dos três ajudava o espanhol a abrir deles. Leclerc, numa reação surpreendente, volta a se defender de Perez, até que este força o monegasco numa saída de curva e ele também sai um pouco. Lewis, que assistia tudo de perto, aproveitou a manobra para passar os dois. Perez voltaria a superar Lewis posteriormente. Essa equipe Ferrari é muito diferente daquela antiga. Que favorecia seu melhor piloto a desde a era Shucmacer.

Madrasta. No final vimos Sainz Jr. vencer, seguido de Perez e Lewis. Leclerc e Alonso fecham o Top Five. Max cruzou em sétimo, depois de uma disputa não muito honesta com Schumaquinho. A Red Bull agradece a Ferrari por minimizar seu prejuízo, ao favorecer Sainz Jr. o espanhol num único final de semana conseguiu suas primeiras, pole e vitória. E o Santander agradece. Para o monegasco restou ver a repetição do drama sofrido em Mônaco e praticamente sela o fim da luta de Leclerc pelo campeonato. E ainda levou uma bronca do seu chefe ao final. Charles tem que cumprir seu contrato com a equipe madrasta ate 2024.

* Parabéns a toda equipe do jornal da manhã pelo cinquentenário. Aos atuais e aqueles que fizeram parte da equipe durante essa caminhada de cinquenta anos. Sinto-me orgulhoso de ter esse espaço aqui há dezoito anos e ser uma pequena parte desta historia maravilhosa. 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ.
O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.

Continua depois da publicidade

Leia mais



DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia
Fechar