JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 21 de outubro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Reginaldo Baleia Leite REGINALDO LEITE 12/06/2021


Continua depois da publicidade


GP de Baku – Quebrando a banca

No final fomos brindados com um trio no pódio inesperado dos mais espontâneos. E se alguém apostou neste resultado quebrou a banca de apostas. Perez conseguiu sua segunda vitória na carreira. Vettel renasceu nesta etapa, depois de um 2020 machucante e também um péssimo início de temporada. Já Gasly vinha batendo na trave desde o início de 2021 e agora realizou seu segundo pódio. E certamente vamos ver outro.

RADICAL. A quarta edição do GP do Azerbaijão foi realizada no final de semana passado, 06/6/21. Baku é um circuito radical, pois tem a maior reta e também o trecho mais estreito entre todos circuitos do calendário. Essas características e a falta de um bom serviço de remoção dos carros quando acidentados sempre resultam num Safety Car ou numa bandeira vermelha.

Em 2021, para não mudar o normal, vimos uma etapa meio que lotérica e carregada de emoções já nos treinamentos, com a presença da bandeira vermelha no TL 1, 2 e 3. Já na classificação, ela foi acionada em quatro ocasiões, um recorde em condições de pista seca nos últimos anos, pelo que me lembro.

REPETIU. Esse foi o melhor treino classificatório do ano até aqui. Na primeira fase Q1 vimos duas bandeiras vermelhas. Lewis liderou. Na sequência, vimos Max, Perez e Leclerc. Na segunda fase Q2 bandeira vermelha, o líder foi Max, seguido de Perez e Lewis, que nem de longe se parecia com o Lewis de sexta-feira, enquanto Leclerc estava apenas em quarto.

A grande surpresa foi o resultado do Q3, onde Leclerc conseguiu a pole, pois foi o melhor na primeira tentativa. E, como na etapa passada, os treinamentos foram interrompidos no último momento, quando todas vinham melhorando suas marcas, devido à outra bandeira vermelha. Assim, Charles repetiu sua segunda pole em 2021 e desta feita podendo largar.

O CONTRÁRIO... As Mercedes haviam andado mal na sexta-feira, mas no TL 3 Lewis conseguiu um terceiro posto. Já Bottas ficou dez posições atrás dele, o contrário da etapa anterior, onde Valteri achou um bom acerto e Lewis não. Desta vez o inglês optou pela velha tática de usar pouca asa e assim levaria vantagem nos trechos de alta, aquela senhora reta, porém sofreria na parte sinuosa. E Bottas optou por um acerto equilibrado, ou melhor, convencional.

VEREDITO. No entanto essa configuração se mostrou ruim para a corrida. Pois graças a esse acerto usado por Lewis, Perez conseguiu controlar Hamilton atrás por muito tempo na corrida, já que na parte sinuosa ele abria uma boa diferença para o inglês e assim se sustentava na grande reta, mesmo quando Lewis usava o recurso da abertura de asa.




Continua depois da publicidade


DEVAGAR. Leclerc largou bem na corrida, mas não conseguiu sustentar a posição por muito tempo, logo sendo superado por Lewis e na sequência por Max, sem poder oferecer resistência. O ritmo de corrida dos vermelhos ainda está longe do ideal. Já nas classificações é bom. Hamilton seguiu na ponta até a 11 ª volta, quando parou para efetuar sua troca de pneus, que foi péssima: quatro segundos. Max parou na volta seguinte e Perez na 13ª. Quando este voltou para a pista, estava na frente de Lewis, mesmo com um trabalho ruim de seus mecânicos. Max assumiu a ponta, com Perez na escolta e o inglês em terceiro.

CAÇADA. A partir daí, Hamilton passou a caçar o mexicano, que se defendia magistralmente. O inglês se aproximava na parte de alta, perdia muito no setor de baixa e, quando chegava na grande reta, mesmo em condições de abrir asa, não conseguia realizar a ultrapassagem. Esse joguinho perdurou até a bandeira vermelha.

MODORRENTA. Para quem viu uma classificação com quatro bandeiras vermelhas, a corrida estava tranquila e sem emoções. Até que, na 30ª volta, Stroll, que fazia uma ótima recuperação, pois havia largado da última fila, viu um pneu traseiro estourar em plena reta, foi assustador, porém sem consequências físicas para o piloto, já seu carro não teve a mesma sorte. Lance calçava o composto duro que resistiu apenas trinta voltas.

* Após esse acidente acendeu um alerta na mente dos engenheiros de varias equipes, que logo começaram a torcer por outro Safety car. O fato é que a maioria dos pilotos efetuou suas trocas entre as voltas nove e treze, e teriam mais 37 e 40 voltas a completar.

QUE REFRESCO!. Com o acidente de Lance, o tão esperado Safety Car entrou em cena e só saiu no início da volta 36. Com todos carros agrupados, voltamos a ver a volta das emoções. Quem se deu bem nessa situação foi Vettel, que superou Leclerc e, na volta seguinte, ultrapassou Gasly, tomando o quarto posto. La atrás, Bottas perdeu três posições na relargada. Por outro lado, Norris escalava o pelotão intermediário apesar de ter largado muito mal.

DE NOVO. Max liderava com autoridade até a volta 47, quando sofreu o mesmo problema de Stroll, também na grande reta. Apesar da dinâmica do acidente ser igual, o carro de Verstappen estragou pouco e o piloto só sofreu de raiva e inconformismo. A bandeira vermelha foi acionada e Lewis, que era considerado figurante na etapa, se viu na liderança do campeonato, com esse momentâneo segundo posto. Muitos pensaram, esse piloto é mesmo um ser iluminado, até num dia ruim consegue se sair muito bem.

INESPERADO. Depois de uma longa paralisação, a largada foi autorizada. Foram apenas três voltas, mas foram eletrizantes, com várias disputas em todos níveis e apagaram aqueles momentos monótonos. Entretanto, o que causou maior espanto, foi a manobra de Hamilton na relargada; o experiente multicampeão agiu como um piloto de F3 ao tentar superar Perez. Um raro momento de inocência deste piloto nas últimas temporadas. Ao perder seu segundo posto, deixou de abrir uma ótima vantagem nos pontos para cima de Verstappen, e no mundial dos construtores a situação foi agravada com a vitória de Sergio e os alemães com zero pontos.

DEBUTANTES. No final fomos brindados com um trio no pódio inesperado dos mais espontâneos. E se alguém apostou neste resultado quebrou a banca de apostas. Perez conseguiu sua segunda vitória na carreira. Vettel renasceu nesta etapa, depois de um 2020 machucante e também um péssimo início de temporada. Já Gasly vinha batendo na trave desde o início de 2021 e agora realizou seu segundo pódio. E certamente vamos ver outro.

* Já os protagonistas ficaram no zero a zero. Terminaram com os mesmo pontos que começaram.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ.
O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.

Continua depois da publicidade

Leia mais



DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia