JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 17 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Lídia Prata ALTERNATIVA 03/09/2019

Poliana de Fátima foi aplaudida de pé pelos passageiros do voo da Azul que veio de BH a Uberaba na tarde de domingo, depois que a presença dela foi anunciada pelo comandante da aeronave. Poliana voltou com mais uma medalha no lançamento de dardos, conquista desta vez no Parapan. Assim como João Menezes, Poliana faz bonito no esporte, enchendo de orgulho todos nós, seus conterrâneos

Pedido de esclarecimento
Empresa de Brasília que acionou o Tribunal de Contas do Estado tentando barrar o processo de licitação dos equipamentos de segurança do programa “Cidade Vigiada”, em Uberaba, aciona a coluna para dizer que “forneceu para diversos órgãos do Governo Federal, do Distrito Federal e para governos estaduais equipamentos de informática e equipamentos de tecnologia, tendo inclusive realizado o monitoramento das Olimpíadas, através de fornecimento de solução ao Ministério da Justiça, com objeto semelhante à licitação da Codiub”.

Para checar
Embora a coluna não tenha citado o nome da empresa que tentou brecar o “Cidade Vigiada”, também não será citado no esclarecimento por ela pedido. Todavia, pesquisando na internet, não consegui encontrar qualquer menção ao nome dessa empresa de Brasília como fornecedora de equipamentos de segurança, muito menos o nome dela associado às Olimpíadas. Estranho...

São Tomé, de novo
Há muitos fatos estranhos associados ao episódio da licitação dos equipamentos para o “Cidade Vigiada”. Pra começar, essa empresa de Brasília sequer participou da concorrência pública, mas acionou o TCE para alegar irregularidades no processo licitatório. Depois, alega que forneceu os mesmos equipamentos para monitoramento das Olimpíadas, sem provar o alegado. Por último, pesquisando o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, constam vários códigos e descrições de atividade econômica da empresa, que vão de comércio atacadista de artigos de escritório e de papelaria a produtos de higiene pessoal, passando por equipamentos elétricos de uso pessoal e doméstico, alimentos e insumos, transporte de cargas (exceto produtos perigosos e mudanças), manutenção de computadores, etc. Mas não consta qualquer menção a equipamentos de segurança ou videomonitoramento. Muito estranho...

Mais estranho ainda...
O mais estranho nessa história da empresa de Brasília é observar que a postagem com AR à coluna foi feita em Uberaba.

Onde?
Pesquisando por todos os meios possíveis, não é possível encontrar qualquer escritório em Uberaba dessa empresa de Brasília tão interessada em brecar o “Cidade Vigiada”. Nem escritório, filial ou representante legalmente habilitado aqui. Qual será o verdadeiro interesse dessa empresa de fora nessa história? O mistério persiste.

Luz, enfim!
Por que a Tristão de Castro? – Essa foi a pergunta mais ouvida no fim de semana, a partir da troca da iluminação tradicional por LED. Quais os critérios ninguém entendeu ainda, mas que a rua ficou muito mais clara, não resta dúvida. Na sexta-feira, quando o prefeito reuniu no topo do Manhattan alguns empresários e imprensa para a assinatura da ordem de serviço para Concip, o que não faltou foi comemoração do desfecho positivo dessa novela chamada PPP da Iluminação.

Que sufoco
Na saída da festa da PPP da Iluminação, um grupo de empresários e repórteres ficou preso no elevador do Manhattan por mais de meia hora. Foi um Deus nos acuda!

Da periferia para o centro
A troca das lâmpadas convencionais por LED vai começar pela periferia. A decisão nesse sentido foi tomada pelo prefeito Paulo Piau. Nada contra, mas as entradas da cidade deveriam ser igualmente priorizadas nesse processo de melhoria da iluminação pública, sobretudo a escura avenida Dona Maria Santana Borges, palco de incontáveis acidentes, muitos deles com vítimas fatais.

Bom exemplo
Como é que uma cidadezinha com pouco mais de 7.500 habitantes consegue a proeza de viver de turismo? Pois a mineira Tiradentes consegue. Sabe como? Fazendo um festival atrás do outro. No fim de semana passado, terminou o Festival de Gastronomia, que arrastou turistas brasileiros e estrangeiros. Não pense que o festival se limita à comida. Pelo contrário: inclui música (de pop a clássica, passando por jazz e rock) e eventos paralelos com degustação de bebidas, test drive com carrões importados e muito mais. Acaba o festival de gastronomia e logo em seguida começa outro, seja de cinema, música, dança, ecologia... o calendário está sempre lotado. Imagine Uberaba, com mais de 300 mil habitantes, se levasse a sério algo parecido! Daria um show!

Peixe graúdo
Dizem que “filho de peixe, peixinho é”. Mas, no caso dos filhos do advogado Gilberto Vasconcelos, são “peixes grandes”, atuando com destaque na advocacia brasileira. O Jornal “Valor”, por exemplo, publicou extensa matéria com Beto Vasconcelos, na véspera do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal sobre o pedido de extradição do empresário Ali Sipahi feito pelo governo da Turquia e rejeitado pelos ministros da 2ª Turma. A matéria ressalta que o escritório de Beto Vasconcelos vem atuando com sucesso no “front de uma espécie de advocacia de causa, com foco hoje em cinco grandes julgamentos na Suprema Corte”. Para quem não se lembra, Beto foi secretário Nacional de Justiça do governo Dilma, mas sempre foi considerado uma das vozes moderadas e sensatas, que alcançou projeção no Direito a partir da defesa de causas consideradas extremamente delicadas, como no caso desse empresário turco.

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia