JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 23 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Lídia Prata ALTERNATIVA 12/06/2019

Como assim?
Embora o requerimento tivesse sido assinado pelos 14 vereadores, deixando claro que queriam uma reunião fechada com o prefeito Paulo Piau, o vereador Kaká Carneiro enviou nota à coluna para esclarecer sua ausência no encontro. Segundo a nota, ao assinar requerimento “convidando” o prefeito a ir à Casa, “Kaká Carneiro acreditou que o chefe do Executivo iria participar de sessão ordinária, como geralmente é feito com todos os convidados. Para ele, ao se reunir com vereadores, em reunião fechada, na sala da presidência, Paulo Piau apenas conversou com os vereadores de sua base”. Diante das explicações, resta a dúvida: o vereador assinou o requerimento sem ler o conteúdo, ou se arrependeu depois de tê-lo assinado?

Só em público
Nos últimos tempos, Kaká Carneiro tornou-se um dos críticos mais ácidos do governo Paulo Piau nas redes sociais. Mas o vereador descarta o caráter “político-artístico-eleitoreiro” das suas postagens. Vai além, dizendo que suas cobranças ao prefeito continuarão sendo feitas publicamente. Tem todo o direito de fazê-lo, claro. Todavia, convém ao vereador munir-se previamente de informações sobre os fatos, antes de fazer tais cobranças, para não continuar sendo desmentido publicamente por documentos, como em algumas das suas recentes críticas à saúde em Uberaba. Certamente a reunião com o prefeito (a portas fechadas ou não) seria uma ótima oportunidade para se informar sobre os assuntos objeto de cobrança, bem como para fazer as cobranças pessoalmente ao prefeito.

Piau paz e amor
Na reunião do secretariado municipal esta semana ficou definido encontro “extramuros” da Prefeitura entre prefeito, vice-prefeito, secretários e subsecretários. O cardápio será feijoada e o acesso por adesão. A motivação é o entrosamento da equipe. A confraternização será sexta-feira, às 18h, na casa do genro do secretário de Governo Luiz Dutra. Sabe-se que os 14 vereadores também serão convidados.

Vai mal
A situação não anda nada bem lá para os lados da Superintendência de Ensino. Apesar da restrição feita pela Secretaria de Estado da Educação à candidatura de diretores de escolas com pendências de prestação de contas, corre à boca pequena que alguns apadrinhados conseguiram certidão de “nada consta”, mesmo tendo “culpa no cartório”. Como o atestado de boa conduta deve ser fornecido pela Superintendência de Ensino, a gestão atual teria feito “vista grossa”, contrariando assim a resolução. Ou seja, estaria permitindo que um diretor com pendência se candidate novamente para a gestão da escola.

Mais uma
Contra a direção de uma tradicional escola estadual na cidade pesam diversas denúncias de cunho financeiro e até mesmo de agressões aos alunos, denúncias essas que desaguaram no Ministério Público. No entanto, segundo consta, até o momento nenhuma providência efetiva teria sido tomada pela Superintendência de Ensino para apurar os fatos, nem mesmo afastando os envolvidos da sala de aula.

Revisão já
O excesso de imóveis particulares tombados ou inventariados no centro da cidade foi tema de reunião na Aciu esta semana, capitaneada pelo presidente José Peixoto. Do encontro participaram diretores da associação, bem como presidentes da Fiemg Regional, Elisa Araújo, do Sindicomércio. Marcelo Árabe, da CDL, Ângelo Crema, entre outras lideranças empresariais da cidade. Convidado para o encontro, o advogado Guido Bilharinho fez duras críticas à Lei 10.717/2008, que disciplina os tombamentos e prevê, entre outros absurdos, multa de até 300% do valor de mercado do imóvel que não for mantido em perfeitas condições pelo proprietário. “Isso é uma verdadeira extorsão”, criticou o jurista.

Quinquilharia aos montes
Nem todo prédio antigo tem valor histórico, mas pelo visto basta ser “velho” ou “cair aos pedaços” para ser inventariado pelo Conphau. E essas medidas são respaldadas pela absurda lei municipal datada do governo Anderson Adauto. Já somam quase 150 imóveis inventariados em Uberaba, verdadeira aberração. Com isso, o centro da cidade virou um caso raro de imóveis antigos apenas com fachadas preservadas. E mais: esses imóveis viram um pesadelo para seus proprietários, que não conseguem mantê-los, nem usá-los, nem vendê-los.

Desenvolvimento engessado
Proprietário de imóveis inventariados na rua Vigário Silva tem tentado, há meses, autorização para demolir os prédios velhos e, no terreno, erguer um shopping com cerca de 100 lojas que poderiam gerar pelo menos 200 empregos diretos. Mas não consegue aprovação para o projeto moderno, porque o Conphau exige que a fachada seja mantida intacta. O resto do prédio pode ser demolido, mas a fachada (horrorosa, por sinal) não pode. Pois é. Esse é apenas um exemplo dos absurdos que vêm acontecendo em Uberaba, cuja lei criada para preservar o patrimônio tem imposto ônus desarrazoado aos cidadãos, penalizado o desenvolvimento econômico da cidade e transformado o centro urbano numa verdadeira marmota. Verdade seja dita: preservação de patrimônio histórico não é o que se vê em Uberaba, lamentavelmente.

Do bem
Nesta quinta-feira, a diretoria da Certrim fará a entrega do valor arrecadado no show beneficente realizado em favor do Hospital Dr. Hélio Angotti e Hospital da Criança. Show encerrou com sucesso o 17º Encontro de Bons Negócios da Certrim.

Registro
Ao encerrar a coluna, trago o abraço fraterno à família da querida colega jornalista Sophia Miguel, vitimada pelo câncer nessa terça-feira. Sophia Miguel integrou por muito tempo a equipe do JM na década de 80, deixando aqui muitos amigos. Dia de grande tristeza para nós.

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia