JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 17 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Lídia Prata ALTERNATIVA 06/06/2019

 Por Gê Alves – redatora interina
gealves13@gmail.com

É difícil. Motorista uberabense flagrou e fotografou cena inusitada na BR-050, local onde está instalado o radar próximo ao bairro Chica Ferreira. Mães atravessam a pista com crianças andando, além de levar um carrinho com outra. O pior vem agora: tudo acontece exatamente sob a passarela elevada ali existente. É como se a obra de nada valesse, apesar do seu alto valor construtivo e a sua finalidade. E a grade metálica nova que ali divide as pistas? Já está arrombada em vários trechos.

Fantástico! Como brasileiro não perde a chance de fazer piada, já há quem defenda – em tom de ironia – naturalmente que, com três pedidos de impugnação do mandato de Piau, Vicentinho, como é conhecido Vicente de Araújo Neto, se fosse jogador, já poderia pedir música no Fantástico. Na verdade, discordo total. Ele não poderia, porque bem que vem tentando, mas nem bateu na trave. Mas tem outro título, também no esporte do Fantástico, que poderia lhe servir, aquele destinado a quem tem péssima performance em campo.

Sono! Falando nele, o autor dos insistentes pedidos de impeachment do prefeito Paulo Piau, o ex-funcionário público, demitido pelo atual governo, Vicente Araújo Neto, faz contato para dizer que a pessoa ao lado dele na galeria quase vazia da Câmara, na terça-feira, não é seu advogado, nem assessor. Feita a correção, destaca-se: mas que dormiu... ah dormiu!

Mudança. Ouvindo o governador Romeu Zema, agora, na condução do Estado, parece um novo homem. Mantém o tom mineiríssimo de fala mansa, a pulseirinha laranja no pulso direito, mas suas manifestações se apresentam bastante diferentes daquelas do período da campanha.

Expectativa. Palavras de Zema, durante a campanha, se apresentando como novo e criticando o que chamou de velha política: “...Orgulho enorme estarmos aqui assinando compromisso público firmado em cartório onde eu, o vice Paulo Brant e todo secretario vamos abrir mão dos vencimentos enquanto houver um funcionário ou pensionista do Estado recebendo atrasado. Minha vida eu sempre disse: exemplo vem de cima e aqui não vai ser diferente; vou continuar fazendo o que faço desde criança, dando o exemplo. Se alguém tá passando pior, quem está em cima – é o líder – tem que se sacrificar mais porque é assim que as coisas dão certo”.

Realidade. Zema, agora, além de manter os salários dele e do vice, mesmo devendo o funcionalismo, insiste nos jetons (gratificação por participação em conselhos) ao secretariado. Ou seja, após criticar prática, imita a velha política e age como seu antecessor do PT, Fernando Pimentel, colocando secretários em estatais, o que pode até triplicar o ganho mensal de integrantes do primeiro escalão, uma vez que as funções podem ser cumulativas.

Sem caixa. Zema admite a falência estatal em Minas Gerais e, falando de infraestrutura, diz que não há dinheiro sequer para tapar buracos e assim tenta justificar medida quem vem prejudicar diretamente o cidadão mineiro: a concessão de rodovias à iniciativa privada, o que significa na prática, na vida da gente, que lá vem pedágio. Naquele tipo morde e assopra, ainda tem a coragem de dizer que “a maioria não vai ser concedida porque tem baixo trânsito”. Sim... decifro: a maioria não vai ser concedida porque não preenche o interesse econômico privado.

Hum!? E falando da Saúde, Zema quase pratica a política de Pilatos ao dizer que “o Estado não tem Casa da Moeda e não pode fazer empréstimos” e que, assim sendo, não tem prazo para regularizar os débitos junto à saúde dos municípios. As cidades arrastam situação de penúria há meses e a coisa estoura no paciente pobre que depende da estrutura pública. Sugiro aos prefeitos replicarem o vídeo do Zema falando isto e colocar nas unidades de Saúde rodando o dia inteiro. Até parece que a doença, a dor, os acidentes esperam.

Ensino. Na Educação também está instalada situação preocupante. No pacote de reformas de escolas, nem uma de Uberaba. Em menos de um semestre de mandato, Zema fechou duas escolas e reduziu 80 mil vagas de tempo integral. Via Judiciário, o deputado estadual Doorgal Andrada conseguiu liminar para reabrir as unidades, uma em Barbacena e outra em Carangola. O mesmo parlamentar, um jovem de 26 anos, agora briga na Justiça em favor dos mineiros para que o Tempo Integral seja retomado em sua plenitude.

Quem sabe! Depois da judicialização dos assuntos referentes à Educação, ante o esgotamento das possibilidades de convencimento na seara política-institucional, Zema vem dizendo que não é bem assim, que pode repensar, reavaliar, embora mantenha que o Estado mal está conseguindo manter o meio período. Já em plenário, liderança do Governo defende que se a Justiça determinar o retorno imediato dessas vagas para as crianças, haveria prejuízo para ações futuras.

Quase certo. Ainda em nível de política estadual, o assunto que dominou no meio hoje, lá pelos lados de Belo Horizonte e Brasília, foi a possível troca por parte do senador/vice-presidente do Senado Federal e ex-governador de Minas, Antonio Augusto Anastasia, do PSDB para o PSD de Gilberto Kassab em nível federal e de Marcos Montes. A engenharia seria garantir ao competente professor e especialista em Direito Administrativo, e também servidor público de carreira, uma vaga no Tribunal de Contas da União. É que politicamente o PSD estaria com mais força para garantir a indicação.

Feriado. O feriado de Corpus Christi, dia 20, não fechará o Shopping Uberaba. O setor de gastronomia e lazer funcionará sem alteração. As lojas terão horário especial: das 13h às 20h, conforme Convenção Coletiva. Na Praça de Alimentação, a atração musical será o multitalentoso Pedro Amui, das 19h às 21h, com entrada gratuita e aberta ao público.

“A comunicação é instantânea porque, em certo sentido, ela não existe.”
(Pierre Bourdieu)

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia