JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 18 de maio de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Joanna Prata AGRO EM DIA 10/04/2021


Continua depois da publicidade


Sindicato Rural apoia produtores de Uberaba no envio de informações para o pagamento do ITR

O trigo é nosso

O conselho gestor de previsão de Safra formado pela Emater-MG, Secretaria de Agronegócio e Embrapa estimam que a área de trigo de cerrado no município de Uberaba pule de 6.000 hectares plantados em 2020 para 7.500 hectares esse ano, somando o trigo de sequeiro e o trigo irrigado. As lavouras ainda estão sendo plantadas. O pesquisador da Embrapa responsável pelo Núcleo Avançado de Trigo Tropical, Vanoli Fronza ressalta que a preferência está no desenvolvimento nos grãos que atendam à panificação. O trigo trabalhado na região possui características acentuadas para atender à indústria do pão de uma forma que o trigo do cerrado, se comparado com o mercado internacional, não deixe nada desejar ao importado. “Com o laboratório, intensificamos as pesquisas e conseguimos desenvolver variedades de trigo de sequeiro, bastante adaptadas ao cerrado. A cultivar BRS 404 (lançada comercialmente em 2015), por exemplo, tem proporcionado produtividade de 4 mil quilos por hectare”, destaca o pesquisador. 

Pra onde tá indo esse imposto?

O Sindicato dos Produtores Rurais de Uberaba está trabalhando junto à Prefeitura de Uberaba e EMATER para enviar os valores referenciais da terra nua do Imposto Sobre Propriedade Territorial Rural para a Receita Federal. Após um convênio entre os municípios e a Receita Federal, os municípios que ficam responsáveis por essa tarefa têm 100% do valor de arrecadação do ITR. Sendo assim, o valor a ser pago do ITR tem como referência os dados repassados pelo município para a Receita Federal. Artigo enviado à imprensa elaborado pelo assessor jurídico do SRU, João Henrique Vieira da Silva, diz que o convênio tem gerado discordância entre os produtores rurais e o poder público sobre os dados repassados à Receita Federal, já que para o município quanto maior for o valor do ITR pago pelo produtor rural maior será o valor arrecadado. Consultado sobre a questão, o advogado especialista em Direito do Agronegócio disse que “o Sindicato dos Produtores Rurais de Uberaba sempre procurou dialogar com o governo municipal para pautarem valores referenciais de terra nua, de modo que atenda às diretrizes impostas pela Receita Federal e que esteja dentro da capacidade financeira do produtor rural contribuinte”, finalizou João Henrique.

Socorro ao Produtor

O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social anunciou nesse dia 8 de abril o BNDS Garantia. Segundo o banco, o programa vai disponibilizar uma maior oferta de crédito privado para os pequenos produtores do campo. Conforme as informações passadas pelo BNDS o programa será similar ao Programa Emergencial de acesso ao Crédito, o PEAC que ano passado destinou R$ 92 bilhões em financiamentos.




Continua depois da publicidade


Conhecimento no campo

O Serviço de Aprendizagem Rural, o SENAR juntamente com a FAEMG e INAES promoveram 5.148 visitas na área de abrangência da Regional de Uberaba com o Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG). Na região são atendidos 765 produtores em seis cadeias produtivas: avicultura, bovinocultura de corte e de leite, cafeicultura, fruticultura e olericultura. Toda a assistência do programa é feita de forma gratuita. O produtor que se interessar pelo programa de capacitação é só procurar o Sindicato dos Produtores Rurais de Uberaba ou o escritório regional do SENAR.

Ser Agro é preservar  

O programa FIP Paisagens Rurais, entre janeiro e março deste ano, atendeu 951 produtores na Bacia do Rio Tijuco. O projeto gerenciado pelo Banco Mundial, no Brasil, é coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento em parceria com SENAR, Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações por meio do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e Embrapa. O foco do projeto é a gestão integrada da paisagem do bioma do cerrado, preparando o produtor rural  para conservar e recuperar a vegetação de Áreas de Preservação Permanente as APPs. “Os números mostram que os produtores continuam recebendo assistência mesmo durante a pandemia. Os técnicos estão seguindo todos os protocolos de segurança para a prevenção à Covid-19 durante o trabalho. As orientações são importantes para que os produtores continuem adequando as suas propriedades e evoluindo na produção”, explica o gerente regional do Sistema FAEMG/SENAR/INAES, Caio Oliveira.


** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ.
O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.

Continua depois da publicidade

Leia mais



DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia