JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 20 de outubro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Reginaldo Baleia Leite REGINALDO LEITE 02/10/2021


Continua depois da publicidade


GP da Rússia - Loteca Russa

Normalmente as corridas em Sochi são meio mornas. Porém, esta última foi bem diferente. O que vimos foi uma das corridas mais loucas da temporada. Pode-se dizer que foi uma corrida daquelas de tirar o fôlego. As surpresas se iniciaram já no sábado. O dia começou com muita chuva, e com isso a programação da F3 foi cancelada e o terceiro treino livre teve o mesmo destino. A classificação se iniciou com pista molhada e sem a presença de chuva. Sendo assim todos pilotos estavam calçados com os pneus intermediários.

*O primeiro fato a chamar a atenção foi logo na parte final do Q1, quando Latifi ocupava a 7ª posição e Russell nem aparecia entre os classificados. Na sua última tentativa, Russell passou para o Q2. Max deu uma volta e recolheu-se ao seu box, já que largaria da P20, pois tinha que cumprir a punição pela troca de componentes. (UP) 

*No Q2 dentro da Williams, a situação voltou ao normal. Russel conseguiu passar para a fase seguinte e Latifi não. Já Sainz Jr se classificou por pouco e tinha Russel à sua frente.

Q3. A Mercedes dominou todas as etapas da classificação e tinha Lewis na ponta até os cinco minutos finais. Até ali, todos estavam calçados com os pneus intermediários e do nada vimos Russell com os pneus macios para piso seco. A atitude de Russell foi logo seguida por muitos, e o primeiro a imitá-lo foi Sainz Jr, seguido por Norris. A Mercedes também chamou seus pilotos. Lewis bateu no muro do corredor que leva aos boxes. Seu prejuízo foi imediato, trocou os pneus e a asa dianteira, seu carro já não era o mesmo e, para completar, ele rodou quando tentava melhorar seu tempo, acabando em quarto.

PARECE. Quando Russell colocou os compostos macios a pista ainda tinha alguns locais molhados, o que melhorou nos instantes finais, e assim os três primeiros a acreditar nos pneus macios formaram o Top 3 da classificação. Norris o pole, Sainz Jr em 2º e Russell, com uma Williams, levou o 3º posto. Na pista molhada ele é demais. Conseguiu o 2º na classificação de Spa-Francorchamps. Ele me recorda muito um piloto brasileiro no passado. Esse resultado da classificação foi mais um totalmente inesperado nesta temporada.

LARGADA. Norris arrancou na posição de honra e assistiu Sainz Jr mergulhar em seu vácuo, superando-o na sequência. Russel manteve sua posição. Lewis realizou uma largada conservadora, já que seu algoz largava da última posição do grid e ele queria se manter longe de confusões pós-largadas; completou a primeira volta em sétimo. Stroll conseguiu uma boa largada. Ricciardo arrancou bem e se enrolou na sequência. Ainda na primeira volta duelou com Alonso e depois Lewis, superando os dois.

FOGUETE VERMELHO. Na última fila vimos Leclerc realizar uma ótima largada, ganhando 7 posições ao final da primeira volta. Max ganhou 3 e veio superando um a um seus adversários enquanto Leclerc estava estacionado em 12º.

FAMINTO. Sainz Jr. liderou por 13 voltas quando foi superado por um Norris sedento pela ponta. O hispânico pararia na volta seguinte para evitar um undercut de Stroll, já que este havia conseguido realizar para cima de Russell. Nas 10 voltas iniciais vimos um trenzinho que se formou atrás de Russell, formado por Stroll, Ricciardo, Lewis e Perez.




Continua depois da publicidade


DUELOS. Mais atrás das ótimas disputas. Leclerc versus Vettel e Max assistindo de camarote, e este, quando teve pista livre, passou a realizar voltas rápidas em sequência, diminuindo sua diferença para os ponteiros. Max e Leclerc também realizaram uma bela disputa na volta 47, que contou com a presença de Alonso para apimentar a disputa.

PRAZEROSO. A corrida seguia num ritmo muito bom. Na primeira parada de Ricciardo seus mecânicos demoraram muito, jogando o piloto para o fundão. Aliás, nessa etapa, vimos um festival de erros nas paradas de Box. Até a recordista Red Bull prejudicou a escalada de Pérez em sua primeira parada.

MARCANDO. Os protagonistas da luta do campeonato pararam ao mesmo tempo. Na 26ª volta Lewis calçou os pneus duros, já que havia largado de médios e Max inversamente veio de média. Lewis voltou em 9º e Max em 12º. Hamilton rapidamente superou Stroll, Sainz e Pierre Gasly, conquistado a P5. Na realidade, a P2, já que dos que estava a sua frente só Norris havia realizado sua parada.

No terço final da etapa a ordem era Norris, Lewis, e Sainz Jr. Verstappen vinha em sexto, mas logo foi superado por Alonso e estacionou no sétimo posto. Lewis foi diminuindo a diferença para Norris até chegar à condição de usar a asa móvel. Aí começou algo como um filme repetido. Lewis tentava e Norris defendia com eficiência, o que já vimos antes nesta temporada.

MOLHOU. Faltando poucas voltas para o término, entre 7 ou 8, começa a chover, porém as equipes já falavam para seus pilotos dessa possibilidade há algum tempo. Primeiro chovia apenas numa parte da pista e depois foi aumentando aos poucos. Nesse ínterim, alguns pilotos foram aos boxes para calçar intermediários, Sainz Jr , Max e Ricciardo, dentre outros. Os 2 ponteiros continuavam na pista e já víamos alguns pilotos sofrendo com as condições. A tensão dominava o autódromo. Faltando cinco voltas para o final, Lando e Lewis são chamados a entrar nos boxes; Lando não entrou e Lewis o seguiu. Lá atrás, um festival de erros e rodas. Na volta seguinte, Lewis enfim entrou e Lando seguiu na pista certo da 1 vitória, pois disse no rádio que a situação estava sob controle. E estava mesmo até que, ao final da volta 50, a chuva caiu com vontade e ele viu suas chances minguarem. Dos pilotos que haviam colocado intermediários, Lewis era o melhor, e estava em segundo, seguido de Max, que estava em sétimo. Porém quem estava à sua frente estava com os Slick. Lando saiu da pista na volta 51 e viu Lewis passando. E o festival de rodas era a moda do momento. Stroll, Gasly Leclerc e Cia Ltda. Lando Norris parou na penúltima volta 52, voltando em oitavo e terminando na P7 e ainda levou o ponto da melhor volta do dia. E ao sair do carro após a prova era o mais desolado do mundo naquela hora. Uma pena, porém, servirá de aprendizado. Liderou quase todas as voltas da etapa e terminou com a sétima posição. Poderia ser o segundo, mas jogou todas suas fichas fora para ter a vitória e viu Lewis levar a melhor após liderar duas voltas e meia. A última é a que vale.

*Lewis enfim marcou sua primeira vitória de três dígitos e saiu da Rússia na liderança do campeonato, já que chegou como vice-líder. Ele atingiu a sua centésima vitória, um recorde insuperável. O maior perdedor foi Lando, que tinha a certeza de sua primeira vitória. Quem saiu no lucro mesmo foi Max, que saiu da última posição e chegou em segundo e agora está apenas dois pontinhos atrás. Normalmente esse déficit seria maior. A chuva é a produtora dos melhores enredos nas pistas.


** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ.
O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.

Continua depois da publicidade

Leia mais



DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia