JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 12 de agosto de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Virgínia Abdalla VIRGÍNIA ABDALLA 27/07/2020


 Colaboração Alexandre Cury

 
Nessa semana, decidimos perguntar novamente sobre o comércio varejista!!
 
Inovações, como computação cognitiva, wearables, realidade virtual e aumentada e assistentes virtuais, estão aproximando o varejo da necessidade de apostar, de modo criativo e sustentável, na união do físico com o digital. No entanto, a integração é desafiadora, uma vez que grande parte das tecnologias ainda não possui efetividade comprovada no mercado varejista e requer alto nível de personalização a fim de impulsionar o valor do consumidor.
 
"Como você vê, a curto prazo, as principais mudanças no comércio varejista?"
 
Confira o que nossos entrevistados responderam:
 
"O setor varejista foi muito prejudicado com a pandemia, mas vejo com muito otimismo grandes mudanças e novos hábitos, estamos tendo oportunidade de vivenciar mais nossos lares e, com isto, curtindo mais nossas casas, consequentemente estamos consumindo mais. Portanto, vejo que o setor varejista tem um futuro promissor."
 
Nice Honorato de Oliveira - Empresária
 
“Hoje o mercado está muito acirrado. Uberaba conta com uma população antenada e preparada p inovações. Na verdade quem não gosta de novidades. Hj as redes sociais corroboram para disseminar novas tendências. Picpay, pagseg e outros bancos digitais transformaram a forma de aquisições e as redes sociais tem papel fundamental na disseminação do novo comércio das cidades.”
 
Marilda Marcacine - Empresária
 
“Acredito que nunca o dito popular do “fazer do limão uma limonada” esteve tão atual. E, na minha opinião, este é o pensamento que deverá nortear o empresário, principalmente o do comércio varejista. Deveremos cada vez mais nos reinventar e tentar descobrir alguma vantagem competitiva que possamos explorar para furarmos esse “tissunami” que está varrendo o mundo, e ainda vai trazer muitas consequências para a economia. A tecnologia digital talvez tenha sido a grande ferramenta que nos ajudou a analisar as informações recebidas de inúmeras fontes e formadores de opinião no mundo inteiro, observando quais foram as reações e atitudes tomadas diante de um evento inesperado e que afetou a todos de maneira tão crítica. Ao mesmo tempo, esta ferramenta também ajudou a criar pontes entre os empresários e seus clientes, tanto externos quanto internos. Possibilitou que muitos negócios continuassem a funcionar em “Home Office”, quando isso era possível, e também a manter contato com fornecedores e clientes e, assim, equacionar de uma maneira menos traumática os problemas que acabaram acontecendo devido à pandemia. Passado o primeiro impacto, algumas certezas vão se destacando, dentre elas uso da tecnologia digital como ferramenta para alcançarmos os clientes. Digo ferramenta porque não acredito que o digital, por si só, seja a solução completa para todos os segmentos. Para aqueles segmentos que trabalham com produtos que eu chamo de “commodities”, que são aqueles produtos que, uma vez escolhido o modelo, o consumidor sabe exatamente o que vai receber, o mercado vai se limitar a uma briga pelo melhor preço, e, nesse setor, acredito que o digital realmente vai ser praticamente soberano, pois, no conforto da minha casa, posso pesquisar e efetivar uma compra. Para esse segmento, estar fora do mercado eletrônico é praticamente fatal. Acredito que ninguém compre hoje uma televisão, um eletrodoméstico sem antes pesquisar nas principais lojas do varejo eletrônico. O pior é constatar que as condições das lojas eletrônicas não podem ser obtidas nas próprias lojas físicas das marcas pesquisadas, ou seja, somos obrigados a comprar na loja eletrônica, a não ser em casos de urgência. Por outro lado, aqueles produtos que dependem de um assessoramento, de uma opinião, de um acompanhamento, estes vão continuar a ter um espaço no mercado físico. Você pode até ter opções no mercado digital, mas ainda vai preferir procurar uma loja física onde pode experimentar ou conhecer o produto, e é esta a oportunidade que o empresário do comércio varejista deve explorar. A ferramenta digital veio para ficar, mesmo neste último caso. Os consumidores já experimentaram o conforto de poder ser atendido através dos meios eletrônicos, seja através do envio de imagens, seja através de reuniões virtuais, e outras facilidades que tiveram seu uso acelerado pela pandemia. Isso veio para ficar. As pessoas acabaram valorizando o ambiente doméstico. Não podendo viajar a turismo, nem ir a shows e aglomerações (pelo menos os mais conscientes), as pessoas acabaram vendo que seu lar e seus hobbies são importantes para a sua saúde mental. Percebemos um aumento gritante no movimento de lojas de material de construção, elétrico e hidráulico; as pessoas estão arrumando as suas casas, pois perceberam problemas que antes não eram tão importantes. A dona de casa que fazia bolos gostosos, começou a fazer bolos para os vizinhos. Aquele caldo que todos os amigos elogiavam, começou a virar sucesso de vendas. Aquele sofá velho que estava com o tecido estragado, agora incomoda mais. Essa é a oportunidade que devemos explorar. A ferramenta digital é uma alavanca que deve e vai ser, cada vez mais, usada para mostrar aos clientes as soluções que a sua empresa pode oferecer. Os próprios fornecedores estão ficando mais próximos dos varejistas, através das “Lives” de treinamento, onde, muitas vezes, nossa equipe passa a ter contato pela primeira vez com quem fabrica os produtos que ela vende, e conhece o processo de produção. Isso agrega um grande valor na argumentação de venda. E está acontecendo com uma frequência muito grande. Temos de encarar essa revolução digital, que foi catalisada pela pandemia, como uma ferramenta capaz de fazer uma ponte entre o cliente e a loja física, de maneira instantânea e eficiente, sabendo tirar proveito das vantagens que você pode oferecer. Não devemos considerá-la simploriamente como sendo uma concorrente desleal. Este vai ser o caminho do varejo a curto, a médio e a longo prazo. Quem souber utilizá-la a seu favor vai sobreviver. Mas ela está aí para ficar, e só o futuro poderá dizer o que mais virá pela frente, pois a criatividade do ser humano é infinita. Muitos conseguirão fazer uma limonada. Eu quero te convidar para tomar uma caipirinha.”
 
Victor Aragão Netto - Empresário
 
“Neste momento, o comércio, de uma maneira geral, busca inovações tecnológicas afim de aproximar o cliente de seu estabelecimento. Isso ocorre a partir do oferecimento de formas de consumo que tragam maior facilidade de escolhas, como cardápios virtuais, stories, Facebook, Instagram, WhatsApp, entregas delivery, fidelidade nas compras e formas de pagamentos através das plataformas digitais. O cenário atual otimizou ainda mais um processo que levaria mais tempo pra se modernizar.  Na relação de consumo, todos foram beneficiados.”
 
Veridiana Feres Garcia Cardoso - Empresária

À pururuca

Sol escaldante de inverno tropical entrando varanda adentro da sede da Fazenda São Judas Tadeu, para que os familiares de Telma e Milton Carvalho de Castro se reunissem em torno de farta mesa, cujo prato principal era uma indescritível leitoa temperada de véspera e assada na brasa. O "chef"? Nada menos que Miltinho Castro, cujo talento oculto para as artes gastronômicas vem se revelando cada dia mais. A propósito, a arquiteta Caru Cunha criou um espaço gourmet divino no apê de Milton Junior, Ana Helena e os filhos Manuela e Guilherme. Estavam lá também o querido casal de médicos Georges Calapodopulos e Nathalia.

Cachaça grega

Não provei, mas disseram que o gosto de anis é bem acentuado no destilado grego que alguns se aventuraram a bicar junto com os aperitivos de mesas fartissimas. As orquídeas de Telma continuam lá, lindas nos troncos dos coqueiros, resistindo à falta de chuva. Cultivo e amor é uma dobradinha infalível mesmo.

Requeijão moreno

Além da famosa leitoa, tínhamos ainda feijoada e todos os seus acompanhamentos, fricassé e, no arremate, doces de frutas com requeijão quentinho que Telma e Aparecida Helena prepararam na hora...
 
Telma, a anfitriã do almoço mineiro
 
Milton não conseguiu esperar para dar uma bicadinha na leitoa

Bela Ana Helena e Milton Castro Júnior

Dauta Calapodopulos e sua neta Manu
 
Dauta, Telma e esta colunista
 


Continua depois da publicidade




Leitoa assada na brasa by Miltinho Castro
 
Grande e carinhosa homenagem
 
Nosso grande amigo Rene Cecilio nos deixou no último dia 18. A família e os amigos fizeram uma homenagem à altura desse grande homem. Por estarmos em plena pandemia, após a missa de sétimo dia, foi realizada uma vídeo conferência onde foram realizadas muitas homenagens e relembrados os momentos da linda “caminhada” de vida dele. Nossos sentimentos a família.
 
Carinhosa Homenagem – Rene Cecilio
 
 
IMAGENS QUE SÃO NOTÍCIAS
 
Marcella Frossard sob o sol morno de inverno
 
Voluntários do Asilo Santo Antônio durante a entrega das pizzas, que tinha como fim a arrecadação de fundos para a instituição. Foi um sucesso!!
 
Matheus Martins aproveita o tempo livre para se exercitar e cuidar da saúde
 
FOFURÔMETRO – O pequeno Jorge Henrique completou 01 aninho e posou junto com sua mamãe, a querida Taymara, para um magnífico ensaio preparado especialmente para comemorar.
FOTO: Diego Rodrigues
 
Fábio Azevedo soprou velinhas ontem e recebeu o carinho dos amigos. Ele, que é um excelente anfitrião, promete uma mega festa no ano que vem para comemorar a vida e seu sucesso profissional. Parabéns!!
 
Jovem, excelente profissional e muito querido por todos, Geraldo Nardi, do Studio DiNardi, está repaginando as dependências do Studio. Desejamos mais sucesso!!
 
Bruna Malagoli fica literalmente “grudada” na filha, a fofa Manuela, nesses tempos de pandemia. Pais e mães vão se adaptando a esse período!! Além de ser uma excelente saída para fazer os afazeres de casa é uma fofura
 
No último dia 24, nosso amigo Marcelo Lara comemorou mais um ano de vida. Parabéns!
 
No sábado, 25, soprou velinhas o jovem Guilherme Nascimento. Parabéns!
 
MENSAGEM DA SEMANA 
** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ.
O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia