JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 16 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas.

Outros Articulistas

Precisamos valorizar a política

Na definição clássica, a palavra “política” vem do grego e significa “algo relacionado com grupos sociais que integram as pólis (cidades-estados). “Algo que tem a ver com a organização, a direção e administração das nações”. São considerados políticos aqueles que ocupam um cargo eletivo no Executivo ou Legislativo. Renovamos os ocupantes desses cargos através de eleições periódicas, conforme determina a Constituição Federal. E o povo é convocado a votar naqueles que melhor os representam. Mas será que os candidatos se dão conta da seriedade da missão que, se eleitos, assumirão? Penso, que poucos.  

A indicação pelos Partidos dos candidatos a cargos, principalmente para o Legislativo, é um aceno claro de que o objetivo é só angariar votos para manter a legenda ativa e apta a captar recursos partidários. Priorizam os simpáticos em detrimento dos competentes. Justificam que esses são a cara do povo, seus legítimos representantes. Ora, para me representar perante uma torneira estragada eu quero um encanador de verdade, assim como para minha saúde, minha opção é por um médico. Por que então não eleger como meu representante alguém que entenda de política – a verdadeira, que dialoga com o povo e cumpre sua função? Eleger pessoas que muitas vezes desconhecem o que lhes esperam, é no mínimo desvalorizar o representante. Estamos em plena campanha para eleger prefeitos e vereadores em todo o Brasil. O apelo por nomes engraçados e fáceis de conquistar o eleitor é gritante. Temos, conforme reportagem do jornal Folha de S. Paulo, a capitã Cloroquina, o Marcos Smoke, o Paulo Bosta e o Merda. Não é de rir... é preocupante.  

Já passou da hora de levar a política a sério. Os eleitos são os condutores dos destinos de um país, Estado e cidade. Neles, os eleitores depositam suas esperanças, mas em troca, recebem muito pouco, ou quase nada. O desconhecimento das leis, das atividades, da política em si, se revela logo no início dos mandatos. São meros ocupantes de cargos, distantes dos anseios da população. E muitos, não contentes em apenas ocupar espaço, apelam para práticas nada republicanas como rachadinhas e dinheiro na cueca. Lamentável. De bons políticos se faz uma grande nação. Que a política seja levada a sério, e que o povo exclua do jogo aqueles, cuja única intenção, é o poder e a remuneração. O país agradece. 

Marcia Moreno Campos

Uberaba, 26 de outubro de 2020

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia