JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 22 de outubro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Gustavo Hoffay

Rigor e gozo

Vivi os anos setenta e oitenta sem maiores preocupações com o panorama que o mundo então apresentava. De lá, trago convenientes lembranças do regime governamental que reergueu o Brasil desde um profundo pesadelo político-ideológico. As músicas cantadas por Roberto Carlos e Renato e Seus Blue Caps, garantiam um clima de romantismo. As performances de Paulo Autran nos teatros, eram primorosas e, na televisão, despontavam Regina Duarte e Francisco Cuoco.

Sob o regime militar vigente, tiveram origem, e foram finalizadas, algumas das maiores obras de engenharia em nosso país. Tivemos tropeços, claro! Mas nada que maculasse a imagem de governantes quanto até recentemente. Nos colégios, reinava a disciplina e uma educação coerente com a sadia caraterística da grande maioria das famílias. Mesmo nas grandes capitais, sentava-se nas calçadas durante a noite, e as crianças brincavam alegremente sob a vista de pais despreocupados com o que haveriam de comer ou quanto pagariam pela gasolina no dia seguinte. As patrulhas policiais eram realizadas em Fusquinhas; as férias podiam ser programadas e aproveitadas com facilidade e os pais ensaiavam e cultivavam cautelas, para evitar-se alguns desmandos e desvios dos seus afetos.

Os prazeres originados de uma sadia recreação, implicavam tão somente em distensão, restauração do físico e do psiquismo desgastados no trabalho ou nos estudos. Hoje, é licito afirmar, que o prazer e a ostentação tornaram-se obsessivamente cobrados, perseguidos, e não poucos imberbes começam a encher-se de bens duráveis (ou não) de satisfação passageira e, enquanto julgando-se engrandecidos, mas, infelizmente, não percebendo que (aos poucos) estão ficando cada vez mais imobilizados e asfixiados. Alguém poderia dizer, que a falta de gozo em relação à sensibilidade ou à obtenção de bens, é frustrante e gera neurose... e há quem diga, que a renúncia, a muito daquilo que os jovens julgam ser bom para eles, é difícil e, principalmente, dolorosa; sim, mas praticada com bisturi esterilizado, a ferida logo cicatriza, e sem qualquer inflamação ou supuração. Por outro lado, é considerável o número de jovens que conheço e já descobriu que a sua finalidade não é a satisfação... mas a perfeição!

Se, porém, deixam-se aposentar na satisfação imediata e passageira das drogas, por exemplo, eles nada realizam, tornam-se preguiçosos e tem paralisado o seu tesão de viver. Nos anos setenta e oitenta, também consumia-se drogas. Mas não haviam outras tantas drogas a serem enfrentadas quanto hoje, e que usam terno e gravata, enquanto, indiretamente, induzem moças e rapazes a agirem de maneira inadequada àquilo que o Brasil deles espera. O bom exemplo vem de cima e, se não aplicado, termina por refletir em considerável parte da população, que ainda carece de uma completa formação de caráter.

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia