JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 22 de outubro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Ilcéa Borba Marquez

Redescobrindo o Brasil - Uma história em movimento

Uma leitura atenta aos textos que falam sobre a Descoberta do Brasil por Pedro Alvares Cabral em 1500 mostra pontos obscuros que necessitam esclarecimentos. Começamos pela data de 22 de abril de 1500 usada por Pero Vaz de Caminha na famosa “Carta do Achamento do Brasil” para marcar oficialmente o momento de uma importante descoberta: um novo mundo, um novo povo, com características próprias: cultura, costumes, fala e crenças. Este é o primeiro registro oficial que sinaliza o contato inicial e promissor com este grupo de humanos que apresenta características únicas e completamente diferentes do mundo europeu dos descobridores.

Caminha relata tratar-se de gentios que apresentam comportamento pacífico e até mesmo dócil, com suas casas, alimentação, vestuários e utensílios domésticos e de guerra. A visão do relator denota sentimento de admiração por perceber sinais de um primitivismo bom, ingênuo e inocente. Ele esteve à frente de todas expedições feitas pelos portugueses terra adentro a fim de transmitir ao Rei todas as informações necessárias para uma avaliação precisa dos direitos e bens da coroa.

Esta carta de Caminha contrasta veementemente com as descrições feitas pelo próprio Cristóvão Colombo no diário de bordo da sua primeira viagem ao Caribe entre 1492 e 1493 onde menciona que os nativos das ilhas tinham o costume de comer carne humana dando-lhes o nome de caribes ou canibes. Colombo registra que eles eram preguiçosos, andavam nus, eram carentes de vergonha, pintavam o corpo para a guerra e usavam apenas tatuagens, braceletes e colares para cobrir as intimidades.

Essas descrições tão contrastantes revelavam, na verdade, objetivos diversos entre os portugueses e espanhóis em relação aos povos desse novo mundo. Aqueles pretendiam acolhê-los no sistema de crenças e valores portugueses para efetivação da posse e controle do novo mundo; estes pretendiam dominá-los pela força a fim de que se tornassem escravos na sociedade espanhola.

Não podemos deixar de mencionar o “Tratado de Tordesilhas”, celebrado em 7 de junho de 1494 entre o Reino de Portugal e a Coroa de Castela para dividir as terras descobertas e por descobrir no novo mundo. Seu objetivo primordial era impedir inimizades e guerras tão comuns e presentes na cultura europeia entre Portugal e Espanha, uma vez que Cristóvão Colombo chegara à América no período de 1474 a 1504 reclamando a posse das terras descobertas para Isabel, a Católicas. Quando Cabral aportou nas praias de Porto Seguro em 1500 este tratado estava valendo e as terras descobertas já pertenciam antecipadamente a Portugal. Ainda nos falta mencionar Vicente Yanez Pinzon: um outro navegador e explorador espanhol!

 

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia