JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 17 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas.

Outros Articulistas

A aviação é cheia de histórias

Era o dia 21/12/2021 – Aeroporto de Brasília. O horário, 5h45 minutos. O sol já mostrando a cara e o avião taxia lentamente para ganhar a cabeceira da pista. Trajeto longo, porque várias outras aeronaves esperavam a vez para decolarem enquanto outras, depois do embalo, saíam do chão. O voo de Brasília a Campinas, pelas contas, já estava prestes a começar e nunca que começava. O bruto de asas duras, com mais de cem passageiros a bordo, parado na intercessão da pista com a saída do pátio, ensaiava prosseguir, mas, sem serem pilotos, os passageiros percebiam que algo estava errado.

Turbinas acionadas e o engenho de Santos Dumont, segundo informou o seu comandante pela fonia, apresentou problemas numa das turbinas que o incapacitavam para voar. Na prática, era como se um dos pulmões estivesse fraco para respirar e, com isso, o risco de não sair do chão era grande.

Todas as tentativas mecânicas para colocá-lo pronto foram infrutíferas e a decisão de retornar o jatão ao ponto de partida foi tomada.

Após quarenta minutos de tentativas terrestres, sem êxito, enfim, veio o veredicto do comandante: “Senhores passageiros: o nosso avião será substituído. Está suspensa a escala em Campinas e iremos direto a Recife, depois João Pessoa, na Paraíba”.

Uma senhora sob descontrole me fez lembrar de uma outra e Chico Xavier. Num voo turbulento, ele, depois de informar a ela que não podia fazer nada, pois não era piloto, aconselhou-a a ficar quieta para que, se fosse o caso de morrerem, “que morrêssemos com classe”.

Enfim, mudamos de aeroplano e aí me veio a seguinte reflexão: se a pane tivesse ocorrido na decolagem ou em pleno voo, qual seria o desfecho? Muitos dizem que aquele baita, numa emergência, consegue voar e aterrissar com uma só turbina. Será? Não reclamemos por algo estar dando errado. Aí pode estar a revogação de algo pior, do qual poderíamos ser vítimas.

Fiquei na minha por saber que a aviação é cheia de histórias desse gênero.
 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia