JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 19 de outubro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Euseli dos Santos

08 de setembro – Dia Mundial da Alfabetização

Meus oito anos (Casimiro de Abreu)
Oh! Que saudades que tenho
Da aurora da minha vida
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores (...)

No Dia Mundial da Alfabetização sou tomado pela nostalgia. Invadido por este sentimento, começo minha crônica com os versos de “Meus oito anos” de Casimiro de Abreu. Talvez os mais jovens não compreendam, mas os meus contemporâneos... vão entender! Lembro bem deste poema recitado em sala de aula. Transcendendo o valor poético, o que ecoa dentro de mim são as memórias de uma época. Foram tempos em que a vida parecia mais fácil – diria até mais saudável. Isso refletia no ambiente escolar. O respeito era premissa essencial do processo de aprendizagem. Nossos olhinhos ingênuos buscavam o reconhecimento dos professores. Como era bom ler um elogio grafado no caderno de tarefas... Tinha um gostinho de dever cumprido.


Aquela foi uma época em que a educação ainda era destaque das plataformas de governo. Hoje, o que nos resta é assistir de camarote à derrocada do ensino brasileiro. Escolas sucateada, métodos pedagógicos ineficientes – incluindo o sistema de progressão continuada que se mostrou um fiasco na prática, educadores desvalorizados e desmoralizados, ficando doentes, descrentes da sua vocação e aterrorizados com a onda de violência, na qual são as vítimas. Às vezes até parece uma cena de filme surreal, afinal cresci ouvindo “Menino, respeita o professor. Dentro da sala, ele é que manda”. Os casos de agressão representam o suprassumo da falência do sistema de ensino. Sociedade brasileira, a que ponto chegamos? O que os pais estão ensinando a seus filhos? Quando foi que os alunos começaram a ditar as regras em sala de aula? O pior é que o governo muda, e nada se modifica. A cada ano, os índices de qualidade despencam, tirando as esperanças da sociedade por um futuro melhor.

Como cidadãos, o que podemos fazer? Claro que somos pequenos diante do monstro do descaso, mas cada indivíduo é corresponsável pelo coletivo. Sou pai de um menino que cursa o 3º ano do ensino fundamental. Desde o primeiro dia de aula, eu o educo a respeitar os professores, bem como todos os integrantes da escola, inclusive os colegas. Reforço estes valores sempre que posso. Parece pouco e simples? É um ato singelo, mas que faz toda a diferença! Criança bem orientada gera um jovem/adulto consciente de seus limites. Enquanto não ensinarmos nossos filhos... continuaremos lendo histórias terríveis nos noticiários.

Atenção! Acendam as luzes de alerta. Que o Dia Mundial da Alfabetização não seja um evento isolado. Porque educação é direito garantido pela Constituição da República. Então, parem de usá-la como instrumento de estratégia eleitoral. Escutaram pais e responsáveis? Educação é um valor aprendido, principalmente, dentro de casa. Parem de delegar suas responsabilidades de progenitores para o Estado. Façamos como uma equipe de revezamento de bastão que trabalha de forma árdua em prol da equipe, ou seja, o máximo esforço individual promove a formação de um time vitorioso. Ainda sonho com o dia que as vivências da minha infância sejam a realidade das nossas crianças.

Euseli dos Santos - advogado militante em Uberaba (MG)
 

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia