JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 20 de setembro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Sandra de Sousa Batista Abud

Sempre é Tempo

O que podemos estar sempre aprendendo?

É possível, e muito admissível, estarmos sempre aprendendo e apreendendo sobre os sentimentos, sobre a vida, sobre o outro, sobre nós mesmos, sobre as relações e os relacionamentos. Quando? Sempre.       

Sempre é momento de olhar verdadeiramente para o outro, para aquele que está próximo, mas também para o que está distante, até invisível.

Sempre é momento de perceber a alegria ou a tristeza de alguém. Se for alegria, urge compartilhar desta felicidade, pois, assim, esta satisfação aumentará o seu volume. Sendo tristeza, o compartilhamento diminuirá este sentimento triste que está sendo dividido, sentido junto, compartilhado.

 Sempre é momento de compreender, de colocar-se no lugar do outro e entender o seu comportamento, assimilar as suas atitudes, até os seus equívocos e explicar com carinho, com paciência, com empatia.

Sempre é momento de captar o que aquele ser ali, ao seu lado ou não, tem de belo ou apresenta de bom e apreciar, demonstrar encanto, isto é, admirar.

Sempre é momento de escutar, ouvir o que o outro tem a dizer e falar também para que o outro ouça, trocar ideias, dialogar.

Sempre é momento de perdoar qualquer mal-entendido, alguma confusão ou ofensa do outro. E é momento também de pedir perdão por uma falha, um esquecimento, uma ausência talvez. Perdoar é poupar, é desculpar, é relevar.

Sempre é momento de auxiliar o outro, de assistir, acudir, prestar socorro, amparar, apoiar. Essa assistência, esse auxílio pode ser material ou espiritual, presencial ou virtual, o importante é a necessidade e a possibilidade de ajudar.

Sempre é momento de mostrar entusiasmo pelos objetivos, projetos, iniciativas de alguém, com o intuito de contribuir, facilitar, favorecer, privilegiar o outro.

Sempre é momento de olvidar crises emocionais, desentendimentos, conflitos e enfatizar a boa face de cada situação, enviando para o esquecimento o lado obscuro e desagradável das relações.

Sempre é momento de consideração, de reverência e deferência ao outro, sem atritos e sem preconceito, com o propósito único de ser respeitado e de respeitar.

Sempre é tempo de demonstrar afeto, amizade, carinho, solidariedade, amor ao outro, com toda a capacidade de cada um de amar. Sempre é tempo de melhorar, de entender nossas fragilidades, de abafar nosso egoísmo e acolher o outro, com ética e com amor.

Sandra de Sousa Batista Abud - Psicóloga Clínica - sandrasba@uol.com.br

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia