JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 20 de setembro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Sandra de Sousa Batista Abud

Falando de autossabotagem

Por que alguns indivíduos não conseguem perceber neles, o que reparam nos outros?

Por que, para muitas pessoas, as promessas de fim de ano são subestimadas?

Assim como a ansiedade, a depressão, a fobia dentre outros, a autossabotagem é um sintoma psíquico que se caracteriza por impossibilitar mudanças na vida do indivíduo, as quais trariam benefícios e satisfação para ele próprio.

A autossabotagem reporta a atitudes e atos engendrados por uma parte interna do sujeito que não permite o alcance de suas próprias possibilidades. Esse mesmo comportamento impede realizações satisfatórias e benefícios pessoais, pois desdenha e despreza qualquer aptidão ou habilidade de buscar o sucesso por medo. Medo de quê? Medo dos riscos, da autonomia, da independência e até do sucesso. Para alguns, o sucesso pode ser assustador, porque significa mudanças que causam medo e pavor. E o sujeito que está para receber uma promoção e se boicota cometendo faltas elementares para não ser promovido? Por que isto? Pelo medo das mudanças e da responsabilidade consequente.

Fatores como novidades, comodismo e segurança facilitam a autossabotagem. A repetição de comportamento conhecido e no mesmo padrão mental afasta qualquer tipo de mudança benéfica. Primeiramente, tudo isto acontece inconscientemente, sendo que o indivíduo não percebe o boicote feito a si mesmo. Em alguns casos, os autossabotadores até sabem o que é melhor para eles, mas alguma força interna, um impulso os distancia do que deveria ser seu objetivo, com sérios prejuízos. Por conseguinte, resultam estresse, ansiedade, depressão, além da insatisfação pessoal gerada pelo não desenvolvimento e fracassos.

Como enfrentar desafios e viver sem medo?

Como evitar o sabotamento de si próprio?

Como se libertar dos procedimentos que dificultam a existência?

Como reagir à acomodação?

Como sair do mesmo padrão mental, como escapar de determinados comportamento repetitivos?

Como eliminar pensamentos e atos autodestrutivos?

Como reagir a sentimentos e necessidades íntimas que impedem o próprio desenvolvimento?

Como enfrentar o boicote de si mesmo? Boicote ou autossabotagem significam esquiva individual, autoboicote é autossabotagem.

Como agir em resposta a um estímulo prejudicial?

Por que a preguiça de mudar?

Como sair da zona de conforto para a inovação?

Como abrir espaço para a mudança?

A resposta a todas estas questões é o conhecimento da autossabotagem, é a consciência que permitirá ao sujeito vivenciar, experimentar e compreender aspectos do seu mundo interno, isto é, o autoconhecimento. Este reconhecimento do padrão de vida praticado e de algum comportamento problemático é o começo. Se as primeiras tentativas não derem bom resultado, estas devem ser consideradas como aprendizagem do que não se deve repetir e não como derrota. É importante a procura constante de mecanismos de sobrepujamento.

Com a percepção do pensamento provocador da autossabotagem, urge mudá-lo e compreender profundamente os objetivos desejados e o que está provocando este desejo. Interessante é se concentrar a reconhecer as fraquezas, ou seja, aqueles comportamentos habituais que dificultam o melhor desempenho.

Com autoconhecimento, torna-se possível debilitar os elementos sabotadores e vencer as limitações de cada personalidade.

Muitas vezes, é difícil digerir as tentativas frustradas, mas é importante sempre recomeçar a busca de mudanças positivas. Consciência e mudança estão profundamente conectadas. Paciência e determinação levam o sujeito a não renunciar e a superar os reveses. Importa mesmo é derrotar o sabotador interno do indivíduo.

Sandra de Sousa Batista Abud
Psicóloga Clínica – sandrasba@uol.com.br

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia