JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 17 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas.

Outros Articulistas

Sorrisos, educação e respeito são serventias da casa!

Sempre próximo a datas comemorativas com grande apelo comercial, como é o caso do Natal, surgem posts e mensagens de apoio ao empresário de pequenos negócios.
São mensagens incentivadoras, como “compre do lojista da sua cidade”, ou “prestigie a loja do seu bairro”, ou “compre da sua vizinha”, e por aí vai.
Essas mensagens são extremamente importantes, pois incentivam os clientes a comprar no comércio de vizinhança, a fortalecer as lojas locais e a prestigiar os empreendedores da sua rede de relacionamento.
Estes destacados empresários, porém de negócios pequenos, poucas vezes conseguem ter uma atuação digital, isto é, não tem força para atuarem com lojas, atendimento e vendas via internet. Não possuem fôlego para brigar com as lojas de rede, mas são estas empresas que estão durante o ano todo ao seu lado, seja vendendo em condições favoráveis, muitas vezes na notinha, seja patrocinando a festa da Igreja ou doando brindes para a festa junina da escola. De uma maneira ou de outra, é o pequeno varejo que faz parte do dia a dia da sua família, da sua comunidade e da sua cidade. Então, nada melhor do que prestigiar o comércio da sua cidade.
Porém, e apesar de toda a importância e envolvimento que existe, apesar da participação nos fatos e eventos da cidade, temos que nos lembrarmos de algumas coisas.
Por vezes, as lojas pequenas possuem estoque menor e não têm presença digital, entre outras facilidades encontradas nas grandes empresas. Então, a grande arma, a grande forma de virar o jogo que o varejo local possui é pelo atendimento. Sim, muitos clientes trocam as conveniências das grandes lojas pelo atendimento diferenciado, exclusivo e personalizado. Um momento de alegria, respeito e gentileza, coroado de competência e atenção.
Porém, e infelizmente, isso não é regra. Ainda encontramos, e muito, lojas pequenas e empreendedores que tratam o cliente como se este tivesse obrigação de comprar naquele estabelecimento; como se atender pessoas fosse um favor feito pelo vendedor e pelo lojista. Ou seja, indo frontalmente de encontro àqueles posts que incentivam comprar dos pequenos.
Uma verdade tem que ser lembrada: os clientes, nem no serviço público, não estão mais aceitando grosserias. O cliente espera, de modo especial, no comércio local, aqui representado pelas lojas e pelos empreendedores da cidade, do bairro e da vizinhança, um atendimento impecável, no qual ele seja conhecido e reconhecido; seja tratado pelo nome e a gentileza, a educação e respeito estejam acima de quaisquer limitações.
Afinal, o cliente, quando bem tratado, compra, compra mais, recomenda, volta e se torna fã da loja, do produto e da marca!

Fulvio Ferreira
Empresário, palestrante e treinador de equipes
 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia