JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 16 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas.

Outros Articulistas

A lição sabemos de cor

Na distante década de 1980, já no final, eu tive o privilégio de ter sido aluno de um grande professor de Língua Portuguesa e depois de Literatura, chamado Antônio Bernardes Neto.
Numa das aulas de Literatura ele explicou que a expressão de cor significa de coração. Quando você sabe alguma coisa “de cor” é porque você realmente sabe, porque está no seu interior, no seu íntimo.

Naquela época, eu gostava muito de Música Popular Brasileira, com destaque para a musicalidade expressada pelos mineiros que compunham o Clube da Esquina. Entre os meus preferidos está Beto Guedes, e a música Sol de Primavera.

A composição, uma verdadeira poesia, é um convite a uma ampla reflexão, mas, hoje, quero destacar a seguinte expressão: “A lição sabemos de cor, só nos resta aprender”. Numa rápida interpretação, entendemos que muitas coisas do nosso dia a dia, seja no aspecto profissional, seja no aspecto pessoal, nós sabemos e estamos cansados de saber. Ou seja, “já sabemos de cor”, de coração.

Mas e a sequência da frase só nos resta aprender?
Beto Guedes e Ronaldo Bastos, amigos de longa data, no final da década de 1970, usaram a expressão popular “sabemos de cor” e, de maneira simples, porém profunda e atemporal, acrescentaram “só nos resta aprender”.

Um vendedor, no início da sua jornada profissional, aprende as primeiras e básicas lições que serão alicerces permanentes para a sua carreira. Ou seja, em pouco tempo de atividade, ele já sabe de cor. Tudo o que deve e precisa ser feito, em linhas gerais, este profissional já sabe; porém, muitas vezes, ele precisa aprender, seja porque esquece, seja porque se torna convencido e autossuficiente, seja porque efetivamente não sabe de cor.

Sabemos o que deve ser feito em muitas e muitas situações do cotidiano, entretanto, esquecemos de praticar, somos negligentes e erramos. Isso vale quando vamos estacionar o carro numa rua escura; sabemos do risco, mas nos descuidamos...

Quando saímos do banco desatentos...
E quando relaxamos os cuidados com doenças, de modo particular com a Covid. Não há espaço para a inobservância dos cuidados; não há espaço para relaxamentos infundados.
Você sabe a lição e de cor.
Então pratique!

Fulvio Ferreira
Empresário, palestrante e treinador de equipes
www.fulvioferreira.com.br
 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia