JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 22 de outubro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Renato Muniz Barretto de Carvalho

Era uma vez um pé de pequi

Quando eu era criança, nos fins de semana nós íamos à fazenda do meu avô. Ele tinha uma Kombi velha, desajeitada, mas valente como meu pai, capaz de aguentar o tranco nas péssimas estradas de terra daquela época. Saíamos com ela carregada e o desengonçado veículo voltava mais cheio ainda. Meus avós faziam questão de trazer para a cidade muitas frutas, mandioca, milho, verduras, ovos e outros produtos da época. Pequi, por exemplo, fazia a festa de todos nós, da família, dos amigos e dos vizinhos. 

No caminho, existia uma árvore enorme, um pequizeiro. Era parada obrigatória em certos períodos do ano, para apanharmos os pequis. Visto sob o ponto de vista da minha meninice, a árvore era gigante, antiga, quase pré-histórica. Debaixo de sua acolhedora sombra, eu conjecturava que ela talvez tivesse presenciado todos os acontecimentos históricos que meu pai contava e que não existiam mais: as demoradas e sonoras viagens de carro-de-boi, a lavoura de café que dominava os morros e cuja produção era enviada para o Estado de São Paulo, a colheita manual das lavouras de arroz, de feijão e de milho, o monjolo que batia dia e noite, as onças que rondavam por ali provocando medo nas pessoas, as sucessivas secas, as temidas cheias e as terríveis queimadas que eliminavam a vegetação, ninhos de pássaros e todos os bichos que não conseguiam fugir, dentre outros episódios, situações, referências, informações, tanto para entender...

Eu imaginava tudo o que teria acontecido sob o “olhar” atento do pequizeiro. Que fatos ocorreram sob sua copa imponente? Enquanto os adultos apanhavam os frutos cheirosos, eu sonhava poder conversar com aquela árvore ancestral; ah, se ela pudesse me contar sua história, um pouquinho do que viu... Eu teria o mundo nas mãos! 

Um dia, uns 50 anos depois, ao voltar da fazenda num domingo quente e seco, vimos que a árvore não estava mais onde sempre estivera. Tinha desaparecido como num passe de mágica! Sequer tivemos tempo de questionar o sumiço. Os deslocamentos eram mais ágeis, os carros aguentavam melhor o barro, a poeira, nós nem reparávamos mais na paisagem, agora tão monótona: extensos canaviais dominavam o horizonte. Foi rápido demais! Uma a uma, as propriedades rurais se transformaram em lavouras monótonas sem fim. Um a um, os velhos currais e as imponentes casas sede dos antepassados foram desmanchados, tábua por tábua, tijolo por tijolo, porém num ritmo ligeiro, quase que instantâneo. Peões, meeiros, famílias antigas, cercas, animais domésticos e caminhos conhecidos deram lugar a máquinas modernas, a traçados retos, a glebas numeradas. Ninguém teve tempo de ter saudades. O que nos reserva o futuro? O que virá é uma incógnita, mas aquela identidade, que se formou em pelo menos duzentos anos, se despedaçou. Teremos como reconstruir? Em que bases?

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia