JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 17 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas.

Outros Articulistas

Fórum

Foi destacado para atuar no setor de informações do Fórum da Justiça local. Era pessoa muito sensível, já vivida. Na prática era visto como o porteiro. Quase não era notado. Por essa situação, tranquilo assistia a diversos episódios. Muitas vezes, era como se existência não tivesse. Ouvia conversas próximas de quem o ignorava como vivente. Tratavam de ajustes e transações muitas vezes tenebrosas. Percebia gana de vingança, arroubos de ambição, invejas, vaidades, eventualmente algum remorso emergia. Havia sempre muito lamento. Enfim, já podia notar até o invisível daqueles corredores do prédio. Muito desacerto de pendências por ausência de bom senso ou de boa-fé. E já chegara à conclusão de que a Justiça só se consolidava quando havia acordo. A sentença, na realidade, nunca era plenamente justa, pelo menos para uma das partes, senão quando, muitas vezes, para nenhuma. Era apenas a imposição do Estado. Ele também já ouvia o inaudível naqueles vãos do Fórum, o que, se fosse decifrado, assustaria muita gente, decepcionaria outras, desanimaria tantas. Contudo, a Justiça, como entendida pelo povo, concretizava-se firme sob o manto da aparente grandeza. Na sua plena pureza, ninguém cria. Enfim, sabia que, embora o resultado do contexto tivesse efeito prático, até eficiente, na verdade, aquela casa não tinha em si a alma de Têmis. Os fantasmas que rondavam ali, muitos resgatando dores do passado, eram múltiplos e de vários propósitos. Certo dia, depois de assistir à cena de dor e lamento da família de uma vítima, emocionado em seus sentimentos, escreveu: “FÓRUM/ Sonhos que se dissipam nos corredores do Fórum/ sonhos triturados, cujos fragmentos são espalhados nos corredores do Fórum/ lágrimas que escorrem nesses corredores de lágrimas/ sangue que jorra como em veias e artérias partidas nesses mesmos corredores/ pobres prejudicados pelos ricos/ ricos atingidos pela inveja, ou pelos bandidos/ dores de todos/ aflições manifestas em gritos contidos/ agonia/ angústia latente nos profissionais pela razão, pela solução/ anseio da conquista, da liberdade, do equilíbrio, da paz/ Mas realidade de lide, resistência de luta constante entre o bem e o mal, redigida em leis feitas também entre o bem e o mal/ HOMENS QUE DEUSES NÃO SÃO, JUSTIÇA QUE DEUS NÃO É!”

Ricardo Cavalcante Motta - Juiz de Direito

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia