JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 22 de outubro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Fernando Hueb de Menezes

Sabedoria

Com muita frequência somos desafiados por embaraços que a vida nos impõe. Situações que desafiam nossa essência e colocam em dúvida a pertinência da nossa conduta. Momentos em que, como primeiro ímpeto, viria a explosão de sentimentos que trafegam a mente e a descarga emocional, só retida pelo simples discernimento que conduz ao recuo. Que distinguem os infantes dos amadurecidos. Que desigualam os sábios dos medíocres.

A sabedoria, por vezes descomplexificada como a proficiência do saber, abrange vários outros atributos, essenciais no enfrentamento das dificuldades e obstáculos que brotam no caminho. Em decisões difíceis, atenua os traumas e ameniza as sequelas. Infelizmente, poucos apresentam esse dom, uma mistura de habilidade, dádiva e virtude, que, com o passar do tempo, acentuam àqueles que fazem por merecer.

Sábio é aquele que se cala diante da afronta. O silêncio é ouro. Que age com prudência, que pondera, que avalia e, então, somente depois, sentencia. Que ignora o desnecessário, que despreza a ironia e que afugenta os maus agouros.

Sábio é aquele que tem sensibilidade. Que reconhece suas deficiências e procura suplantá-las. Que age com ética e respeito ao próximo. Que percebe seus limites, compreende suas fraquezas e as utiliza como alicerce para o crescimento. “O início da sabedoria é a admissão da própria ignorância. Todo o meu saber consiste em saber que nada sei”, expressou Dalai Lama.

Sábio não julga, simplesmente tolera. Não agride, apenas perdoa. Passa por toda a vida agregando coisas boas e descartando as ruins. Não se abala com insultos, compreende que existem outros pontos de vista.

Buscar sempre o equilíbrio e viver com simplicidade talvez sejam o âmago da Sabedoria. Para isso, temos que nos desvestir das vaidades, desopilar nossa mente de problemas fúteis e viver a vida com harmonia e serenidade. Os desafios virão, acompanhados de desagrados e decepções. Mas, no fim, o verdadeiro sábio se valerá das tormentas para purificar a alma e santificar o espírito. 

(*) Professor e pesquisador da Universidade de Uberaba, chefe de Gabinete da Prefeitura de Uberaba 
fernando_hueb@hotmail.com

 

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia