JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 23 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Vera Lúcia Dias

Neymar e o sexo desprotegido

Assistindo às repetitivas matérias sobre o episódio Neymar e a moça que saiu do Brasil para ir transar com ele na França, recordei-me do meu tempo de psicóloga e coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids, quando algumas de minhas tarefas eram entregar resultados de exames de sorologia e também fazer palestras sobre prevenção nas SIPATs das empresas. 

À época, conversando reiteradas vezes com públicos predominantemente masculinos, eu sempre chamava a atenção para o fato de que sexo desprotegido contraria a máxima antiga de que “no homem nada pega!” e, até onde minha vista enxergava no início dos anos 2000, eu lhes afirmava que pegava sim DST, Aids, filho, mãe de filho e pensão alimentícia...

Ouvindo a história de Neymar e a moça que afirmava valer por 4 mulheres na cama, fico pensando que ele não imaginava que ela poderia valer pela dor de cabeça de 8 fora da mesma, se considerarmos o alerta de alguém que se apresenta como Algum Advogado Desconhecido e que, apesar do meu pouco conhecimento de Leis, me atrevo abaixo compartilhar o que recebi na Net: “Ô Neymar, eu não deveria, mas vou lhe ajudar. E da próxima vez, siga estes passos: Antes de transar, consulte um advogado!

Você lembra do tempo em que "sexo seguro" significava usar camisinha para evitar doenças sexualmente transmissíveis e gravidez? Esqueça, os bons tempos terminaram. Confira aqui as dicas para sexo seguro que um homem deve observar no maravilhoso mundo feminista moderno!

A coisa está ficando assim: sabe aquela gatinha que você conheceu na balada, que deu a maior mole, você convidou para um motel e ela topou?

Primeiro leve a garota a uma emergência hospitalar e solicite um teste de dosagem de álcool e outros entorpecentes, para evitar acusação de posse sexual mediante fraude. (Art. 215 CPB)

Depois passe com ela em um cartório e exija que ela registre uma declaração de que está praticando sexo consensual, para evitar acusação de estupro. (Art. 213 CPB)

Exija também o registro de uma declaração de que ela está praticando sexo casual, para evitar pedido de pensão por rompimento de relação estável. (Lei 9.278, Art. 7)

Depois vá a um laboratório e exija o exame de beta-HCG (gonadotrofina coriônica humana) para ter certeza que você não é o pato escolhido para sustentá-la na gravidez de um bebê que não é seu. (Lei 11.804 Art. 6)

No motel ou em casa, use camisinha e nada de "sexo forte" pra evitar acusações de violência doméstica e pegar uma Maria da Penha nas costas.

Além disso, você deve paparicá-las, elogiá-las, jamais criticá-las ou reclamar coisa alguma, devem ser perfeitos capachos, para não causar qualquer "sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral", sem que tenha obviamente os mesmos direitos em contrapartida. (Lei 11.340 Art. 5)

Na saída do motel leve-a ao Instituto Médico Legal e exija um exame de corpo de delito, com expedição de laudo negativo para lesões corporais (Art. 129 CPB) e negativo para presença de esperma na vagina, para TENTAR evitar desembolsar nove meses de bolsa-barriga caso ela saia dali e engravide de outro. (Lei 11.804 Art. 6)

Finalmente, se houver presença de esperma na vagina da moça, exija imediatamente uma coleta de amostra para futura investigação de paternidade (Lei 1.060 Art. 3 inciso VI) e solicitação de restituição de eventuais pensões alimentícias obtidas mediante ardil ou fraude. (Art. 171 CPB)

Fazendo tudo isso, você pode fazer "sexo seguro". Se ainda estiver interessado.

Não me dei ao trabalho de conferir a pertinência de todos os artigos citados considerando que os três primeiros alertas estavam corretos, e, se algo estiver errado, os colegas operadores do Direito por favor me corrijam. 

Brincadeiras à parte, alguém pode estranhar esse artigo vindo de uma madura senhora que exerce o ofício de tentar compreender os sentimentos humanos, mas num tempo em que estes contam tão pouco para a maioria das pessoas, é bom lembrar o ditado antigo de que “prevenir ainda é melhor do que remediar” as consequências de determinados os arroubos.

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia