JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 26 de fevereiro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Esther Luisa Hercos Fatureto

Acordamor

Surge uma nova palavra, seria acordar o amor ou a cor do amor? E lá amor tem cor? – diria alguém. Eu digo que tem sim. Muitas cores e nuances, muitas intensidades e variações.

Vermelho seria a cor do amor ou do ódio? Assim seguem todas as cores com seus múltiplos usos; só depende da emoção e de quem a está sentindo.

O arco-íris sempre foi minha paixão; agora ele é símbolo da homossexualidade. Se eu não sou homossexual, vou odiar o arco-íris ou terei que me tornar um? Nada disso, continuo amando o arco-íris e respeitando quem o escolheu como símbolo.

Não entendo em quê o simples fato de alguém ser homossexual pode afetar a vida de outras pessoas a ponto de criar tanto ódio e vontade de morte e destruição. Assistimos a tantas cenas de violência na TV, onde homens se matam e matam mulheres para roubar, por ciúme ou vingança, e ninguém vai a público falar mal desses seres desumanos. Se fosse um homossexual, seria um escândalo, seria apontado como alguém que quer destruir a família, seria justificativa para a matança que sofrem e sofrerão. Triste mundo sem amor.

Homossexual ou não, todos somos seres humanos, amamos alguém, estudamos, trabalhamos, temos famílias e pagamos impostos. Ninguém induz outro a ser homossexual, simplesmente acontece. Isso é fato, e não existem argumentos. Ninguém é obrigado a se tornar homossexual, assim como ninguém é obrigado a negar que seja. O respeito deve ser mútuo.

O amor acontece, não dá pra argumentar, se for entre duas pessoas livres, se não for causar mágoas em outra, se for para construir uma vida honesta, o que importa a cor desse amor? Abençoado seja. Amor é amor e pronto.

Que mundo sem cor e sem amor este nosso! Alguns acham que, se matarem todos os homossexuais, irão limpar o mundo. Assim como quiseram dizimar judeus, cristãos, muçulmanos, negros, índios, e não conseguiram.

A maldade está no coração de quem mata, e não de quem ama, e nos dois corre sangue vermelho.

Esther Luisa Hercos Fatureto - Médica oftalmologista

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia