JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 16 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas.

Outros Articulistas

Isa Bernardes Ferreira

Os músicos têm uma herança subliminar de transferência de conhecimentos que liga gerações, atravessando os tempos. Uma linhagem de músicos consegue transmitir aos seus descendentes uma herança valiosa que dá continuidade a uma corrente que vem de muito longe. Isso aconteceu em Uberaba de forma incontestável, envolvendo representantes de duas famílias que contribuíram decisivamente para a evolução da música em nossa cidade – os Bernardes Ferreira e a família Nascimento.

A primeira formanda do Conservatório Musical de Uberaba, fundado em 1949 pelo maestro Alberto Frateschi, foi a talentosa pianista Maria Emília Nascimento Pereira. Maria Emília era bisneta do maestro José Maria do Nascimento, fundador da banda de música “União Uberabense”, em 1852, e neta de Carlos Maria do Nascimento, o último diretor desta corporação, que tantas glórias trouxe para Uberaba. Maria Emília formou-se em 1957 e atuou em nossa cidade até o final do ano de 1963. Após seu casamento, a jovem pianista mudou-se para Brasília, em 1964, e lá construiu uma sólida carreira musical na capital do país, onde brilha até os dias atuais.

A segunda formanda do Conservatório de Uberaba, por sua vez, foi uma descendente da família que fundou a primeira banda de música de Uberaba, em 1815, a “Banda dos Bernardes”. Isa Laís Bernardes Ferreira era neta do saudoso Eloy Bernardes Ferreira (1872-1913), flautista, professor, compositor e maestro, que deixou seu nome entre os pioneiros na História da Música em Uberaba. Sua contribuição na evolução da música no Triângulo Mineiro foi valiosíssima.

Isa Bernardes Ferreira nasceu em Uberaba em 24 de março de 1937, filha primogênita de Eloy Bernardes Ferreira Filho e Martha Barbosa Ferreira. Iniciou seus estudos musicais em 1949 na classe do maestro Alberto Frateschi, no Conservatório Musical de Uberaba, recém-fundado. Nesse mesmo ano, Isa participou da primeira audição de piano de alunos do Curso Infantil do Conservatório, tocando a peça “Primeira Carícia”, de Carlino Crescenzo, que foi professor da pianista uberabense Dinorah de Carvalho, em São Paulo. A concorrida apresentação aconteceu no Salão Grená da rádio PRE-5 e incluiu ainda os nomes das crianças Maria Emília Nascimento Pereira e Cristina Hueb, alunas que dariam futuramente uma importante contribuição a esta escola.

Em 1955, Isa concluiu o curso de “Professora de Música”, sendo que, em 1957, o Lavoura e Comércio registrou a contratação de Isa Laís para assumir a cadeira de Música da Escola Normal Oficial de Uberaba, cargo conquistado por concurso. Uma vitória bastante comemorada, levando-se em conta o fato de ela ter vencido outros concorrentes antes mesmo de concluir seu curso de piano.

A conquista do seu diploma de pianista aconteceu em 9 de dezembro 1959. Seu concerto de formatura foi realizado no Salão Nobre da Sociedade Sírio-Libanesa em noite de gala, literalmente tomado por uma multidão de ouvintes. O paraninfo da turma foi o maestro Alberto Frateschi e a oradora oficial, a srta. Jeanne Marie Fidalgo Jardim, representando a nova turma de “Professoras de Música”. Nessa noite memorável, Isa tocou o Concerto nº 26 em Ré Maior, K. 537, de Wolfgang Amadeus Mozart, para piano e orquestra, também conhecido como “Concerto da Coroação”. Nesta ocasião, o concerto foi executado a dois pianos, sendo que o segundo piano esteve a cargo do prof. Alberto Frateschi, que tocou a redução orquestral.

Ornamentava o palco uma grande lira, símbolo da arte musical, toda confeccionada com flores miúdas. Na entrada do clube, chamava a atenção um grande painel com as fotos dos homenageados, confeccionado pelo renomado fotógrafo João Schroden Júnior. A jovem pianista parecia uma miragem, ostentando um lindo vestido longo em tafetá rosa-bebê, com o corpete adornado por delicadas rosas, caprichosamente confeccionadas do mesmo tecido. Eloy e Martha ladeavam a filha com justo orgulho. Uma noite para se guardar na memória!

Cheia de planos para prosseguir sua carreira musical num grande centro, Isa Laís foi para Belo Horizonte no ano seguinte à sua conclusão do curso. Em 1961, apresentou-se no Teatro Francisco Nunes, como solista ao piano do Concerto de Mozart, com a Banda Sinfônica do Corpo de Bombeiros da capital mineira. Pouco tempo depois, assumiu o cargo de professora do Conservatório Mineiro de Música, por concurso, o que representou mais uma conquista pessoal bastante expressiva.

Infelizmente, essa excepcional pianista veio a falecer em 3 de dezembro de 1962. Sua morte chocou a sociedade uberabense por ter ceifado a vida de Isa Bernardes Ferreira antes de ela poder alçar voos mais altos numa carreira musical que prometia muito. A Missa de 30º dia foi celebrada na manhã de 3 de janeiro de 1963, na Catedral Metropolitana de Uberaba, numa cerimônia tocante, que contou com a presença maciça da classe artística uberabense.

Perder uma jovem tão impregnada de luz, em plena juventude, é sempre muito triste. No poderoso ciclo da existência humana, todas as conquistas e todos os desastres têm significado como fases de um processo. Nós é que não conseguimos compreender o alcance dos desígnios divinos. Isa Laís Bernardes Ferreira foi uma estrela fugaz no cenário musical uberabense em sua breve existência. Deixou saudades!...

Olga Maria Frange de Oliveira - Professora de piano, regente do Coral Artístico Uberabense, autora do livro “Pioneiros da História da Música em Uberaba” e ex-Diretora Geral da Fundação Cultural de Uberaba

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia