JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 18 de janeiro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Olga Maria Frange de Oliveira

Memórias do tempo da inocência

Nesses longos dias de “quarentena”, sem ter muito o que olhar para a frente, passo horas intermináveis recordando o passado. Começo a me lembrar do Colégio Santa Marcelina de Belo Horizonte, educandário só para meninas onde cursei o primário e o ginasial. O colégio era dirigido por uma congregação de freiras francesas que ministrava um ensino de excelência, embora o sistema educacional fosse extremamente rígido e preocupado com a disciplina.  Naquela época era obrigatório ir para as aulas com o cabelo preso. Aliás, logo na entrada ficava uma postulante que fiscalizava, uma por uma, as alunas. Caso alguma menina estivesse com o cabelo solto ela entregava um elástico para que esta fizesse ali mesmo um rabo de cavalo.

Lembro-me que um dia, em 1964, algumas irmãs foram de sala em sala ordenando aos professores que levassem as suas turmas para a capela onde, unidas, rezaríamos todas pelo país. Disseram que os comunistas queriam invadir o Brasil e que o momento era muito grave e necessitava de orações. Não sabíamos o que significava “aquele momento”, mas sentíamos medo de algo que não compreendíamos.

Criança não sabe o que é comunismo, democracia, nem ditadura ou golpe de Estado.

Naquela época, o meio mais eficaz para ministrar a educação era punir ou castigar por qualquer deslize. Tudo era pecado, pois o pecado era o parâmetro moral das gerações infantis. Eu tinha muito medo do inferno, do demônio, da reprovação ou de não ser amada. Não havia diálogo no sistema educacional dos anos 60.

Lembro que éramos proibidas de dizer a palavra “banheiro”. Em seu lugar deveríamos dizer “gabinete” ou “lavatório”, pois o termo banheiro tinha uma conotação “erótica” indesejável. Deveríamos levantar o braço e solicitar: - “Irmã, posso ir ao gabinete?” Essa norma acabou criando uma situação muito divertida quando eu cursava ainda o primeiro ano, aos seis anos de idade. Eu estava em casa e vi meu pai sentado na poltrona lendo o jornal. Resolvi me aproximar dele e o abracei carinhosamente. Foi aí que li a seguinte manchete na primeira página do jornal: “Governador recebe hoje o secretariado em seu gabinete”. Ergui a cabeça e disse, perplexa: – Nossa, pai, até quando o governador vai ao gabinete sai no jornal? E meu pai, numa alegria incontida, começou a dizer em altos brados: – Nega, corre aqui! A Bahiinha já sabe ler. Ela leu direitinho no jornal! E foi assim que comecei oficialmente a fazer o que eu mais amo nessa vida, ler. Desde então nunca mais parei de ler.

Outra situação bastante antipedagógica ocorreu quando eu estava no terceiro ano primário. Àquela altura a minha “quilometragem de livros” já era grande. Meu vocabulário tinha se ampliado bastante. Eu escrevia redações que eram muito elogiadas e tinha acabado de ler “Iracema”, de José de Alencar. Tinha que escrever uma nova redação, mas não conseguia esquecer a bela introdução do livro: “Além, muito além daquelas serras que ainda azulam no horizonte, nasceu Iracema”. Ah! Que imagem grandiosa! Eu queria encontrar uma frase tão linda quanto esta. Mas, qual o quê! Nenhuma ideia me ocorreu, por mais que tentasse. Fiz uma composição à minha maneira e, num trecho em que eu estava mais inspirada, escrevi a seguinte frase: “No momento em que as águas balouçavam mansamente...” Para minha alegria, tirei a nota máxima, com louvor. Minha professora afixou a redação no quadro-negro e me elogiou na frente da classe, dizendo que todas elas deveriam ler bastante. Acrescentou que era bom copiarmos ideias extraídas dos livros, como eu fizera. E pediu para que eu dissesse à turma de qual livro tinha copiado a frase. Encabulada, eu disse a verdade: - Não, irmã, eu não copiei de ninguém. Eu achei essa frase bonita e a escrevi. Saiu da minha cabeça, eu juro. Ai de mim! Fui ridicularizada, humilhada e fiquei uma semana sem recreio. Depois dessa triste experiência, passei anos policiando minhas frases e evitando palavras muito rebuscadas, que se tornaram terreno proibido.

Mas, de qualquer maneira, tenho gratas recordações do Colégio Santa Marcelina pois, ainda que a repressão estivesse presente, lá eu aprendi o sentido da responsabilidade e o respeito aos meus superiores, dei os primeiros passos nos meus estudos musicais e adquiri o hábito da leitura. Foi lá também que me ensinaram os princípios do cristianismo que me levaram a ter uma fé inabalável em todos os momentos da minha vida.

Hoje, à distância, posso criticar os métodos pouco ortodoxos daquela forma de educar. Mas não posso negar o quanto me trouxeram benefícios e, pelo menos em mim, nenhum trauma. As Irmãs Marcelinas colaboraram, e muito, para a formação do meu caráter e da minha personalidade. Plagiando Lya Luft, eu diria que as memórias do tempo da inocência são como pedras em que pisamos para atravessar um rio, ainda que turvo e perigoso.

Olga Maria Frange de Oliveira - Professora de piano, regente do Coral Artístico Uberabense, autora do livro “Pioneiros da História da Música em Uberaba” e ex-Diretora Geral da Fundação Cultural de Uberaba

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia