JM Online

Jornal da Manhã 50 anos

Uberaba, 10 de agosto de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas.

Outros Articulistas

Vozes, sempre transparentes

Walderez de Barros, que interpretou Judite na novela de sucesso “O Rei do Gado”, reprisada quase vinte anos depois em “Vale a Pena Ver de Novo”, fez há tempo depoimento experiente: “a voz é o sopro da alma”. Thomas Mann analisa a personagem Doutor Fausto, de sua autoria, revelando que a voz humana pode ser abstração do homem parecida com a do corpo desnudado.

Atriz Valderez acha perigoso “mexer” com a voz, acreditando não se tratar de mera emissão do som. Quando iniciou no teatro, achava sua voz pequena e sem potência. Por ser tímida, encontrou dificuldades de comunicação. Acreditava que sua voz não acompanhava a intensidade de suas emoções. Dizia ser a sua alma soprando frágil com receio de se desnudar. Começou a estudar o canto lírico, ampliando sua tessitura e dando elasticidade através de exercícios para sua devida extensão. Antes, acreditava ter uma tessitura grave.

Voz e fala acham-se interligadas. Pressupõe-se a expressão literária teatral sem se prescindir da palavra, que bem expressa um pensamento formado no mundo imaginário das sensações.
A comunicação verbal é reflexo das condições socioculturais do país, onde carece tradição de cultura erudita. Noções gramaticais tornam-se pouco conhecidas. Também, o texto escrito difere do falado. A pontuação, principalmente a vírgula, torna-se perigosamente compreensível, se não souber dar a ela a devida respiração. A inflexão da fala está na pontuação.
Continua ela: a palavra em cena não é um jogo de letrinhas. A técnica, o bom senso e a inteligência colaboram na comunicação verbal.

Parágrafo que faço para abordar o dispendioso trabalho vocal provocado por professores em salas de aula com número excedente de alunos, correntes de ar ou ar-condicionado ligado. Tomam ares de oradores ou gritam empurrando a voz, tornando-a metálica, estridente, cacofônica, inadequada, e sobrando, na aposentadoria, uma voz artificial e rouquenha, enfraquecendo-a.

Repetidas vezes, dos muitos Congressos a que fui, sempre de caráter internacional, colocaram a hidratação e a respiração nasal como fatores importantes na boa produção sonora.

O bom profissional deve dar à voz todo o cuidado, empregando-a como inerente à aparência não só física, como mental e intelectual. Os nervos que a definem trazem tamanho e espessura, de onde se basearam os instrumentos para seu timbre peculiar. Contrariar a natureza humana, procurando tonalidade artificial não adaptável à voz de cada falante/cantante, é “assassinar” o que temos de mais fecundo e revelador da alma humana.

Arahilda Gomes Alves
 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia
Fechar