JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 16 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas.

Outros Articulistas

Morram de inveja com as vistas pobres de seus banheiros

“Eu juro que é melhor / não ser o normal / se eu posso pensar que Deus sou eu...” Balada do louco - Ney Matogrosso

Tudo isto acontecendo e você aí, com a boca aberta cheia de dentes, procurando o trevo de quatro folhas. Vá dançar, não deixe a banda passar. Esqueça as etiquetas, a moral, use minissaia, perca-se em deliciosos bombons, farte-se com prazeres. Nossas vidas são presentes que merecem ser usados todos os dias. Esqueça a roupa de ir à missa. Quanto mais b... no salão, melhor é a festa.

Os deveres éticos e morais de uma sociedade não fazem bem ao ser humano. O que a sociedade precisa são coisas morais, protocoladas, tudo engomadinho. Apoie isto, viva o que é necessário para a comunidade ser perfeita e harmônica.

Entretanto, após as 18 horas, no fim de semana, vá ser feliz. Use aquela linda calça jeans amarela-limão que você ama. Tome sua bebida favorita de um trago só. Dirija seu carro com o vento no rosto. Seja livre, feliz, sempre. Vai que amanhã é o último dia. Suas contas não poderão ser cobradas e você, com medo de não comprar, morreu sem experimentar o tão famoso caviar. A calça amarela-limão vai criar traças ou acabar na pele de uma pessoa qualquer e você a amava.

São muitas as coisas mais importantes em nossas vidas do que os direitos, deveres e outras leis, preconizados por pastores, padres e uma multidão de palpitadores moralistas sobre sua bunda. Cada um que cuide da sua. Há quem deva ser respeitado, quando der palpite sobre como você usar seu popozão, contudo, essas pessoas são minoria e, na maioria dos casos, as que mais amam você. Elas querem apenas seu bem. Quando dizem “não faça isto, não haja assim”, é porque sabem; você será repreendido por suas atitudes. Pessoas que não têm o que fazer, em grande parte e com sua opinião esmagadora, falam sobre seu traseiro e agem assim por medo de serem felizes, igual a você.

Então, se alguém mora na rua, na praça, não quer dizer que seja um vagabundo, seu guarda. Pode estar apenas pensando nela. Se meu banheiro não tem teto, não quer dizer que eu seja um moribundo. Pode dar pistas que meus valores não são os mesmos que ou seus.

Preste atenção, são valores de cada um, a quem prefira porcelanato de mil reais o metro, eu prefiro banhar com as estrelas.

“(...) louco é quem me diz / E não é feliz, / eu sou feliz...” Balada do louco - Ney Matogrosso

O escritor do lago - Instagram, Blog: Utopiaxrealidade (Nascendo um mundo melhor)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia