JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 16 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas.

Outros Articulistas

Como ser mais feliz

O que significa felicidade? Ela está em algum lugar? Se sim, como obtê-la? Perguntas como essas motivam pessoas desde gerações incontáveis à sua resposta. Aristóteles, em seu famoso livro “Ética à Nicômaco, nos diz que a felicidade deve ser adquirida pela aprendizagem, por alguma espécie de exercício. O filósofo não poderia estar mais correto.

A neurociência da felicidade hoje é um dos assuntos mais comentados na comunidade científica internacional. A disciplina oferecida pelo professor israelense Tal Ben-Shahar, na Universidade de Harvard, chamada “A ciência da felicidade”, é uma das disciplinas mais concorridas da Universidade. E isso tem uma razão. Cada vez mais, estamos descobrindo maneiras de nos tornarmos mais felizes.

De acordo com o professor, um dos fatores que realmente interferem na felicidade é o tempo que passamos com pessoas que consideramos importantes, como os amigos e nossos familiares. Mas não é o tempo quantitativo que importa, mas o tempo qualitativo. Quanto tempo passamos experienciando bons momentos e tendo conversas profundas, realmente nos conectando com quem amamos e deixando de lado as armadilhas das distrações modernas, como os celulares e as televisões.

Esse tipo de exercício você pode começar hoje em sua casa. Estabeleça conexões profundas com quem está ao seu lado, em isolamento. Ligue para pessoas com quem não fala há tempo. Reviva as boas lembranças.

Um outro exercício para aumentar essa sensação de felicidade é a gratidão. Ao final do dia, pare por alguns minutos e pense, mentalize passagens do seu dia em que você foi grato. Escolha três diferentes, para começar. Você pode manter o seu diário da gratidão para revisitá-lo no futuro, se quiser. Esse exercício pode ser feito, também, com seus familiares. Pelo que vocês são gratos? Vocês podem conversar sobre isso no final do exercício ou depois de um tempo. Essa prática pode trazer maior união familiar. 

Matheus Felix Ribeiro

Psicólogo cognitivo-comportamental; doutorando em Neurociências (UNB), vice-presidente do IBDFAM-Uberaba - Contato: matheusfelix.psi@gmail.com

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia