JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 16 de junho de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

José Elias de Rezende Júnior

Harmonia entre os poderes ou estado de barbárie

Os cidadãos uberabenses acompanharam, na última semana, um acirramento de ânimos entre o Poder Executivo e o Poder Judiciário locais, representados respectivamente pelo Prefeito Municipal e pelo Juiz Titular a 1ª Vara Federal desta Subseção Judiciária, motivado por decisão proferida no dia 26/05, suspendendo a vigência do novel Decreto 5.555 do dia anterior, que autorizava, com a observância às medidas sanitárias, o retorno do comércio na cidade.

A partir deste cenário, agravado por uma manifestação de repúdio por parte do Prefeito e pelas diárias manifestações de parte da comunidade uberabense, ambas com o foco na conduta do juiz, é pertinente que se analise os acontecimentos à luz da independência e harmonia entre os poderes, prevista na Constituição democrática de 1988, de forma a se buscar uma compreensão racional, ponderada e geral para a questão.

O uso do termo “democrática” não foi casual, pois tem a intenção de destacar que viver numa democracia não é viver sob o jugo da maioria, mas sob o império da lei, no qual as minorias necessariamente devem ter os direitos respeitados. Por esta razão, os membros dos poderes Legislativo e Executivo são escolhidos diretamente pelo povo, enquanto que os membros do Poder Judiciário ingressam na carreira por meio de concurso público de provas e títulos.

Outra peculiaridade do Poder Judiciário é que, via de regra, este age por provocação dos interessados e não de ofício. Significa dizer que o atacado juiz não acordou numa manhã fria e ensolarada de maio e resolveu fechar o comércio da cidade, mas que a decisão decorre de uma provocação anterior, no caso, do Ministério Público Federal, na qualidade de representante da sociedade.

Ademais, o Poder Judiciário, diferentemente dos demais poderes que se constituem pelo voto, não objetiva, pelo menos em teoria, a agradar aos cidadãos, sendo que, pelo contrário, em muitas situações, possui o que se chama em filosofia do direito de atuação contra majoritária. Em outras palavras: é bom que, num estado democrático de direito, os juízes não estejam à mercê dos interesses de certos setores da sociedade, de modo que gozem da imprescindível liberdade para decidir conforme a lei, ainda que contra os interesses de uma maioria, a qual nem sempre está com a razão, conforme demonstra a história da humanidade.

De modo que, decisão judicial que desagrada quem quer que seja – inclusive o Prefeito – deve ser combatida com os instrumentos da lei, não com choro (real ou ficto) e muito menos com o incentivo à desobediência civil. Negar esta premissa é aceitar o estado de barbárie, o qual pode ser vantajoso momentaneamente para alguns, mas certamente será danoso para todos num futuro não muito distante.

José Elias de Rezende Júnior
Advogado e professor universitário
jose.elias@rezenderezendead

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.
DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia