JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 24 de setembro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Alta no preço do arroz: como substituir o produto?

Para reduzir os custos, especialista dá dicas de produtos com valor nutricional semelhante

16/09/2020 - 00:00:00. Última atualização: 16/09/2020 - 07:44:07.


Nos últimos dias, foi registrada uma alta considerável no preço de alguns produtos nos supermercados de todo o país, dentre eles, o que mais chamou a atenção foi o preço do arroz, tão presente da alimentação dos brasileiros. Em algumas regiões, o pacote de cinco quilos pôde ser encontrado por R$ 40, movido pelo aumento do dólar, da exportação do produto e redução da safra. Buscando alternativas para as refeições básicas, alguns brasileiros optam por substituir esse produto por outro com um valor nutricional parecido. Pensando nisso, alguns especialistas dão dicas para que essa troca seja feita de forma saudável. 

Para algumas pessoas, existe o medo de substituir esse alimento por outro que não compense os nutrientes. Mas, de acordo com a nutricionista Marcela Costa, integrante do Sistema Hapvida, do qual a RN Saúde faz parte, o arroz é uma fonte de carboidrato e pode ser substituído tranquilamente. “Entre as opções estão a batata inglesa, batata doce, mandioca (macaxeira), batata baroa, inhame, cará ou macarrão”, revela.

A especialista afirma ainda que cada tipo de alimento tem a sua variedade de micronutrientes que são bem-vindos em uma dieta saudável. “A substituição de alimentos, dentro do mesmo grupo alimentar, é até recomendada, pela possibilidade de variar a ingestão de micronutrientes, evitando assim a monotonia alimentar”. Assim, a substituição do arroz, se feita conforme a recomendação, pode ser positiva para a população, uma vez que esse processo evita o desgaste alimentar, por conta da rotina de alimentação, e ainda abre a possibilidade para a produção de diferentes receitas proporcionalmente nutritivas.

Ainda assim, a nutricionista destaca que é preciso ter cuidado com o preparo dos alimentos. Mesmo que sejam nutricionalmente equivalentes, os acompanhamentos, se adicionados sem os devidos cuidados, podem trazer uma desvantagem na alimentação. “É preciso estar atento às quantidades e modo de preparo dos alimentos, evitando as frituras, por exemplo. No caso do macarrão, evitar molhos muito calóricos, que acabam desequilibrando a refeição em relação ao arroz”, finaliza.

Leia mais


DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia