JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 27 de maio de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

SAÚDE

Coronavírus: criança deve ser vacinada normalmente

A exceção, no entanto, é para o período de vacinação contra Influenza destinado à população idosa, segundo pediatra

10/04/2020 - 00:00:00. - Por Carol Rodrigues Última atualização: 10/04/2020 - 15:28:56.

Foto/Divulgação


Até 15 de abril, criança não deve ser levada no posto de saúde para se vacinar a fim de evitar o contato com o idoso, orienta a médica pediatra Marília Monti

Com exceção do período em que idosos estejam sendo vacinados contra a Influenza, calendário vacinal da criança deve ser atualizado de maneira regular em meio à pandemia do novo coronavírus, orienta a médica pediatra Marília Monti.

Para evitar contato entre criança e idoso, Ministério da Saúde (MS) orienta que a criança não seja levada para se vacinar até 15 de abril, já que idosos - integrantes do grupo de risco da Covid-19 - estão entre o público-alvo da primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe.

“É uma breve pausa na atualização do cartão de vacinas das crianças, entre 23 de março e 15 de abril, já que as crianças, muitas vezes, são transmissores assintomáticos do coronavírus e outro vírus”, explica.

À exceção deste período, a vacinação deve ser regular. “É o que propõe a Sociedade Brasileira de Pediatria, em conjunto com a Sociedade Brasileira de Imunizações, até mesmo para não aumentar o risco de transmissão de outras doenças preveníveis por meio da vacina”, pontua.

No entanto, alguns cuidados devem ser tomados, alerta a pediatra. Ela recomenda escolher a unidade de saúde mais próxima de casa e ir em horário menos movimentado, além de manter o distanciamento mínimo, principalmente do idoso.

“Nessa época, os profissionais das unidades de saúde vêm tentando aplicar o maior número de vacinas possível na mesma visita, respeitando o intervalo mínimo entre as doses, com o objetivo de reduzir o número de idas a essas unidades de saúde”, ressalta a médica.

Monti ainda observa que não há evidências da interação da Covid-19 e a resposta imune às vacinas.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia