JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 17 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

SAÚDE

Estudo estima que óleo de fritura piora quadros de câncer de cólon

A mensagem do trabalho científico não é a de que alimentos fritos causem câncer, mas sim que piorem quadros já existentes

09/09/2019 - 00:00:00.

A Associação Americana para Pesquisas sobre Câncer elaborou e publicou que relacionou a ingestão de óleo de fritura com a piora de quadros de câncer de cólon, além do desenvolvimento de colite (a inflamação do intestino grosso). Embora os testes tenham sido feitos em roedores, os pesquisadores acreditam que tal relação também exista no organismo humano.

Uma das cientistas, Jianan Zhang, afirmou que; "as pessoas com inflamação do cólon ou câncer de cólon devem estar cientes desta pesquisa". A especialista ressalta que a mensagem do trabalho científico não é a de que alimentos fritos causem câncer, mas sim que piorem quadros já existentes. "Nos Estados Unidos, muitas pessoas têm essas doenças, mas continuam a comer fast-food e frituras", disse Guodong Zhang, outro pesquisador que participou do estudo.

"Se alguém tem doença inflamatória intestinal ou câncer de cólon e consome esse tipo de alimento, há uma chance de tornar as doenças mais agressivas", complementou Guodong.

A equipe mostrou que, quando os ratos comiam alimentos fritos, seus quadros pioravam, sendo eles de inflamação do cólon, desenvolvimento de câncer (aumentando o crescimento do tumor) ou vazamento intestinal — que resulta no escape de bactérias tóxicas para a corrente sanguínea.

Como relataram os especialistas, o experimento foi realizado com base na dieta humana: uma combinação de óleo de fritura e de óleo fresco foi adicionada à dieta em pó de um grupo de camundongos, que posteriormente foram analisados. Houve um crescimento notável no vazamento intestinal dos animais que ingeriram a substância presente em alimentos fritos.
Os pesquisadores esperam que uma melhor compreensão dos impactos do óleo de fritura na saúde leve a diretrizes alimentares e políticas de saúde pública mais eficazes.

*Com informações da Revista Galileu 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia