JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 18 de novembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

SAÚDE

Professor da UFTM e universidades de outros países desenvolvem pesquisa que contribui para diagnóstico de doenças virais

Novo esquema já está pronto para ser utilizado em qualquer parte do mundo onde o sequenciamento de DNA está disponível

21/06/2019 - 00:00:00.

Foi desenvolvida uma parceria entre Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) com pesquisadores do Brasil, Alemanha, Austrália e Bangladesh. O projeto propõe um novo esquema de sequenciamento de DNA para identificação de parasita. O artigo, com os resultados da pesquisa, foi recentemente publicado na revista científica International Journal for Parasitology, que está entre as mais relevantes no mundo na área de parasitologia.

O trabalho que contou com a participação do professor da UFTM, Kennio Ferreira Paim, é uma importante contribuição para o diagnóstico das chamadas doenças negligenciadas como doenças virais, parasitárias e bacterianas que afetam principalmente as pessoas mais pobres do mundo. O material consiste em um novo esquema diagnóstico para a identificação do parasita Leishmania donovani, agente causador da leishmaniose visceral.

De acordo com Kennio, o trabalho demonstra o sucesso da parceria entre as diferentes instituições que pode ser evidenciado no desenho e resultados da pesquisa. O trabalho propõe o sequenciamento de uma nova combinação de sete genes presentes no genoma do parasita e que possuem a capacidade de separar isolados provenientes de uma mesma região geográfica ou mesmo provenientes de um único paciente. Este novo esquema foi validado e obteve sucesso na identificação dos isolados de Leishmania provenientes de Bangladesh e já está pronto para ser utilizado em qualquer parte do mundo onde o sequenciamento de DNA está disponível.

A pesquisa foi realizada entre pesquisadores das Universidades de Sydney na Austrália; Universidade Técnica e de Ciências Aplicadas de Wildau, Universidade Charité de Berlim na Alemanha; Ministério da Saúde de Dhaka em Bangladesh; e Fundação Oswaldo Cruz e Universidade Federal do Triângulo Mineiro no Brasil. 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia