JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 15 de novembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

Jobim irá mudar legislação para garantir vôos regionais

Nelson Jobim irá apresentar um projeto solicitando que o próprio ministério tenha em mãos slots para suprir as demandas. Estes slots seriam em aeroportos estratégicos.

A regularidade de vôos de Uberaba para São Paulo pode ter uma solução. Ontem, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, explicou aos prefeitos, deputados federais e presidentes de entidades classistas presentes à audiência em Brasília que a legislação garante liberdade de tarifas e slots para as companhias aéreas, ou seja, elas atuam conforme a lucratividade.

O prefeito Anderson Adauto e prefeitos das cidades de Araxá, Montes Claros, Araçatuba, Montes Altos, Ipatinga, Bauru, Sinop e Cascavel explicaram ao ministro as dificuldades que a ausência de vôos para a capital paulista traz para as cidades no que diz respeito ao desenvolvimento econômico.

Segundo o deputado Paulo Piau, o ministro foi receptivo ao pedido dos prefeitos. “Ele entendeu e concordou que a situação precisa ser resolvida. Jobim sabe que enfrentará resistência, mas explicou que irá propor uma mudança na legislação para poder alterar este quadro e garantir os vôos regionais”, disse o parlamentar.

O prefeito Anderson Adauto, que foi o porta-voz do grupo, destacou que a interiorização do desenvolvimento passa pela regularidade de vôos. “É necessário resolver esta questão para que possamos desenvolver o interior do País. Este é um problema de diversas cidades e para ser solucionado não há outro caminho que não a mudança na legislação”, avaliou AA.

De acordo com as informações, o ministro Jobim irá apresentar um projeto solicitando que o próprio ministério tenha em mãos slots para suprir estas demandas. Estes slots seriam em aeroportos estratégicos como Congonhas e Santos Dumont. Segundo o prefeito, a iniciativa irá evitar que o mercado, sozinho, controle a aviação regional.

Apesar de garantir empenho imediato, a situação ainda deve se prolongar até março devido às negociações e tramitações necessárias para emplacar este projeto no Congresso. “Teremos outra reunião em fevereiro. A solução é possível, mas ainda é demorada. Por enquanto, infelizmente, ainda ficaremos dependendo da boa vontade das empresas”, definiu Piau.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia