JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 23 de maio de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

Continua depois da publicidade



Operação em Uberaba apreende materiais de suspeitos de desvios de recursos na área da Saúde

Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão em Uberaba e Ribeirão Preto em investigação que tem como alvo, inclusive, ex-funcionários do Mário Palmério

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

13/05/2022 - 14:55:15. - Por Gisele Barcelos Última atualização: 13/05/2022 - 22:05:35.

 

Clínica em Ribeirão Preto foi um dos alvos de busca e apreensão realizadas pelo Ministério Público e Polícia Civil (Foto/Jairo Chagas)

Em investigação conjunta para apurar desvio de recursos na área da Saúde, o Ministério Público e a Polícia Civil cumpriram nesta sexta-feira (13) cinco mandados de busca e apreensão nas cidades de Uberaba e Ribeirão Preto. Os alvos das buscas são suspeitos de lesarem os cofres públicos por meio de pagamento de consultas médicas e procedimentos cirúrgicos não realizados ou executados de forma irregular. Ninguém foi preso durante a operação.

Segundo o chefe da Polícia Civil de Uberaba, delegado-geral Felipe Colombari, as denúncias envolvem contrato firmado entre o Consórcio Intermunicipal de Saúde do Vale do Rio Grande (Cisvalegran) e o Hospital Universitário Mário Palmério para atender as prefeituras ligadas ao órgão. 
 
Columbari explica que foram detectados indícios de apropriação indevida de recurso público porque a verba do consórcio teria sido repassada a uma clínica oftalmológica em Ribeirão Preto para pagar procedimentos não foram executados ou mesmo para cobrir atendimentos realizados a pacientes de cidades que não fazem parte da região do Cisvalegran. Ele salienta que foram identificados casos, inclusive, de pagamento por atendimento a residentes de outros estados. 

De acordo com o chefe da Polícia Civil, dois ex-funcionários do hospital teriam agido isoladamente e seriam os responsáveis pela suposta fraude que possibilitava o pagamento indevido à clínica pelos procedimentos não realizados ou executados de forma irregular. Os dois suspeitos já foram desligados da instituição anteriormente à operação. “No primeiro momento, não existe nada até agora de irregularidade por parte do consórcio, do hospital e nem universidade mantenedora do hospital. O que estamos investigando são funcionários que possibilitavam os pagamentos indevidos à clínica”, pondera.

O delegado aponta que está sendo apurado se os ex-funcionários recebiam algum tipo de vantagem financeira para viabilizar os pagamentos indevidos à clínica com o dinheiro público. “A investigação vai se aprofundar para comprovar se isso ocorreu ou não”, acrescenta.
 
Conforme o chefe da Polícia Civil, o cálculo do valor que teria sido desviado por meio do suposto esquema não está finalizado porque é preciso verificar o custo de cada cirurgia ou consulta paga de forma irregular. No entanto, a estimativa é que montante total representa um possível prejuízo considerável aos cofres públicos. “O valor específico do dolo ao patrimônio público ainda não conseguimos informar, mas é algo bem exorbitante que poderia ter sido revertido em prol da população”, salienta.
 
Os mandados de busca e apreensão foram expedidas pela 1ª Vara Criminal de Uberaba, no âmbito de investigação criminal que apura crimes de tráfico de influência, falsificação de documentos públicos, peculato e associação criminosa. 
 
Em Ribeirão Preto, as buscas foram realizadas em um imóvel residencial de dois suspeitos e também na clínica oftalmológica pertencente aos acusados. Já em Uberaba, a operação atingiu as casas de dois ex-funcionários do Hospital Universitário Mário Palmério que estão sendo investigados e ainda na empresa de um deles.
 
Foram apreendidos na operação seis aparelhos de telefone, um notebook e dezenas de contratos e documentos envolvendo as ações desenvolvidas com os recursos do Cisvalegran.“Agora vamos analisar o conteúdo dos documentos apreendidos e confrontar com as provas que estão no inquérito policial, que indicam fraudes em alguns procedimentos realizados”, finaliza o delegado. 
 
Devido à operação em andamento, Columbari adianta que foram verificados também rastros em outros municípios do Triângulo Sul e a Polícia Civil pretende ir atrás e checar possíveis irregularidades na região, com a nova estrutura da Unidade de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro,. “Vamos verificar contrato por contrato se não houve irregularidades envolvendo outros locais”, finaliza o delegado. 

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia