JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 31 de maio de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

Quarto vereador é cassado por desvio de recursos públicos em Uberlândia

Rodi Borges é o quarto parlamentar a perder o mandato após operação do Gaeco

31/03/2020 - 14:07:31. - Por Gisele Barcelos

Foto/Divulgação

Em sessão extraordinária esta semana, a Câmara Municipal de Uberlândia cassou mais um vereador pelo desvio de recursos da verba indenizatória na atual legislativa. Rodi Borges (PL) é o quarto parlamentar a perder o mandato, após operação deflagrada pelo Gaeco no fim do ano passado.

Saiba Mais: Crise no Legislativo: vinte vereadores suspeitos de corrupção têm prisões decretadas em Uberlândia

O vereador já estava afastado do mandato por denúncias de enriquecimento ilícito, desvio e apropriação de verba pública e improbidade administrativa. Ele não compareceu à sessão de julgamento nesta segunda-feira (30) na Câmara Municipal de Uberlândia e nem enviou representante legal ou apresentou defesa prévia. 

Na reunião, a comissão processante apresentou relatório pela cassação do denunciado por infração político-administrativa e quebra de decoro parlamentar. O posicionamento pela perda do mandato foi acatado por 24 votos favoráveis em plenário. 

De acordo com as informações da Câmara Municipal de Uberlândia, a decisão será informada à Justiça Eleitoral e publicado Decreto Legislativo de cassação de Rodi Borges no jornal oficial do Legislativo.

Os vereadores em Uberlândia também analisaram ontem a denúncia apresentada contra Paulo César – PC (SD), outro parlamentar acusado de uso irregular da verba indenizatória na operação do Gaeco. No entanto, a abertura de processo para a cassação do parlamentar foi rejeitada em plenário.

Foram nove votos favoráveis a dar continuidade à apuração da denúncia, três contrários e 13 abstenções. O pedido foi arquivado porque eram necessários pelo menos 14 votos a favor para que a denúncia pudesse prosseguir.  

ENTENDA O CASO

Deflagrada pelo MInistério Público no fim do ano passado, a operação "Má Impressão" investiga desvio de recursos da verba indenizatória de gabinete na Câmara Municipal de Uberlândia por meio de uso de notas fiscais frias de gráficas.

A maior parte dos vereadores foi presa em dezembro. Depois, foram soltos, mas seguiram afastados das funções legislativas. No início deste ano, a Câmara deu início a processos para cassação e outros três vereadores já perderam mandatos: Juliano Modesto, Alexandre Nogueira e Wilson Pinheiro.

Ele é o quarto parlamentar a ter o mandato cassado após ser acusado de desvios de recursos da verba indenizatória na atual legislatura. Já foram cassados por quebra de decoro parlamentar Juliano Modesto (suspenso do SD), Alexandre Nogueira (PSD) e Wilson Pinheiro (PP).


Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia